Se formar Governo, CDU promete reabrir escolas, hospitais e balcões da CGD e correios

Se conseguir formar Governo, após as eleições de outubro, a Coligação Democrática Unitária (CDU) compromete-se a reabrir, de imediato, serviços públicos encerrados, como estações de correios, balcões da CGD, unidades de saúde e escolas, na próxima legislatura.

A Coligação Democrática Unitária (CDU), que junta o Partido Comunista (PCP) e o Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV), quer reabrir de imediato serviços públicos encerrados, como estações de correios, balcões da CGD, serviços de saúde e de educação, caso consiga formar Governo. A medida, prevista no programa eleitoral da CDU, é um dos sete compromissos da coligação para as legislativas de outubro.

Os comunistas e ecologistas defendem que a reabertura dos serviços públicos entretanto encerrados é, ” a par da institucionalização das Regiões Administrativas”, um “elemento de atração e fixação de população”. As zonas de interior e do mundo rural são as zonas prioritárias no plano de reabertura dos serviços públicos, “num quadro das respostas necessárias no plano nacional”, mesmo que “tal signifique não atender a rácios e critérios de ocupação e de produtividade artificiais”.

A CDU defende também o alargamento dos passes para transportes públicos a todo o país, com um valor de 30 euros no município e 40 euros na região. A medida deve ser acompanhada por um ambicioso plano de reforço de oferta, com a aquisição e reparação imediata de material circulante, e com a valorização da capacidade de manutenção.

“Significará, para lá do seu enorme impacto social, um novo e importante salto na diminuição da utilização do transporte individual e um contributo determinante, talvez dos mais decisivos, para a defesa do meio ambiente e para a redução de importações”, lê-se no programa eleitoral da CDU.

A criação de um Plano Nacional de Combate à Precariedade é outro dos compromissos dos comunistas e ecologistas. Defendendo que esta deve ser assumida como política de Estado, a CDU quer que a Autoridade para as Condições do Trabalho passe a declarar vínculos efetivos a todos os trabalhadores que estejam a ocupar postos de trabalho permanentes, “à exceção dos que estiverem a substituir trabalhadores temporariamente impedidos”.

O programa eleitoral apresentado contempla ainda o compromisso de criação de uma rede pública para assegurar creche gratuita para todas as crianças no final da licença de parentalidade, um maior investimento em hospitais e unidades de saúde do Serviço Nacional de Saúde (SNS), o aumento das pensões e reformas em, pelo menos, 40 euros ao longo da legislatura e 1% do Orçamento do Estado destinado ao apoio à Cultura.

“A Política Patriótica e de Esquerda que propomos ao povo português, e relativamente à qual cada um poderá pedir-nos contas ao longo do mandato, a partir de hoje, é já património daqueles a quem ela se dirige. Uma política que escolhe um lado. O dos trabalhadores e do povo. Um Programa que faz uma opção. A opção de fazer o país avançar e não andar para trás”, afirmou o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, na apresentação do programa eleitoral.

Ler mais
Recomendadas

CDS quer actualização do Plano de Contingência para controlo da Xylella fastidiosa

Os deputados do CDS-PP Patrícia Fonseca, Ilda Araújo Novo e Hélder Amaral querem saber se está já em curso alguma actualização ao Plano de Contingência para controlo da Xylella fastidiosa e seus vectores, elaborado em 2016, e se não, para quando está pensada essa actualização. E enviaram a pergunta ao ao ministro da Agricultura, Florestas […]

Angela Merkel e Boris Johnson consideram prematuro regresso da Rússia ao G7

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disseram esta quarta-feira em Berlim ser prematuro considerar o regresso da Rússia ao G7, uma ideia avançada pelo Presidente norte-americano, Donald Trump.

CDS-PP pede explicações ao Governo sobre pagamento de ‘vouchers’ para manuais escolares

O grupo parlamentar do CDS-PP pediu esta quarta-feira esclarecimentos ao Ministério da Educação pela alegada falta de pagamento dos ‘vouchers’ Mega, usados para adquirir manuais escolares, alegando que a situação “é insustentável” e demonstra “desgoverno” por parte do executivo.
Comentários