“Se Governo não cumprir, avançamos para greves”

Na véspera da “grande manifestação nacional de professores”, o secretário-geral da FENPROF acusa o ministro da Educação de ter “desaparecido” e ameaça com greves no período de avaliações finais.

O que motiva e quais são os objetivos da manifestação nacional de professores agendada para amanhã?

Esta é uma manifestação que une todas as organizações sindicais, portanto, não é apenas a FENPROF. É um momento em que os professores têm que ir para a rua dizer que “basta”, por um lado, e por outro dizer que exigem ser respeitados. Porque nós estamos a falar de assuntos que não são novos, não surgem agora. Nós começámos logo no início do ano letivo, ainda em 2017, com um conjunto de situações, negociações que levaram a que o Governo tivesse assumido compromissos com os professores. No dia 18 de novembro houve uma reunião no Ministério da Educação (ME), que acabou a altas horas da noite, cinco ou seis da manhã, em que o Governo assumiu com as organizações sindicais o compromisso de contar o tempo de serviço dos professores que esteve congelado durante nove anos, quatro meses e dois dias. O compromisso de contar esse tempo de serviço, de uma forma faseada. E também o compromisso de encontrar respostas para um problema muito grande que afeta os professores neste momento, que é o problema do desgaste. E é um desgaste que decorre de dois fatores principais. Por um lado, o envelhecimento. Nós temos uma profissão em que mais de metade dos profissionais já tem mais de 50 anos de idade, uma parte dos quais já tem mais de 60 anos. Em cima deste envelhecimento há uma sobrecarga do horário de trabalho. Os horários dos professores são ilegais, como trabalhadores da função pública têm um horário de 35 horas semanais e o certo é que o tempo de trabalho médio semanal dos professores está calculado em 46 horas e 42 minutos por semana. Ou seja, esta sobrecarga de trabalho, com a sobrecarga de tarefas burocráticas a que os professores também estão sujeitos, e o envelhecimento. O Governo, em 18 de novembro, assumiu os compromissos de contar o tempo de serviço aos professores, de resolver o problema do envelhecimento, através de medidas como a aposentação, e de resolver o problema dos horários de trabalho…

Artigo publicado na edição semanal do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

100 mil professores nas ruas de Lisboa 10 anos depois?

A manifestação de sábado, 19 de maio, parte do Marquês de Pombal às 15h00 em direção ao Rossio. A grande incógnita é se conseguirá repetir os 100 mil professores de 2008.

PGR dá razão aos professores na contagem do tempo de serviço

O parecer da Procuradoria vai obrigar à contagem de todo o tempo de serviço anterior à profissionalização de milhares de professores que entraram no quadro desde 2011. O governo “foi derrotado”, sublinha a Fenprof.

Mário Nogueira: de antigo escuteiro a dirigente associativo

A luta sindical confunde-se com a vida do dirigente da Fenprof. Uma das primeiras manifestações aconteceu no gimnodesportivo de Tomar e acabou com uma barricada.

Sindicatos de professores avisam que aprovação do próximo Orçamento não está garantida

Os sindicatos da Educação acusaram hoje o Governo de estar a “cometer uma ilegalidade” ao não cumprir o Orçamento do Estado de 2018 e admitem que a aprovação do próximo possa não estar garantida, pelo menos por esta maioria.

Fenprof convoca nova manifestação nacional dos professores para dia 19 de maio

A iniciativa surge depois de as negociações com o Ministério da Educação terem-se revelado “pouco produtivas” na recuperação do tempo de serviço cumprido pelos professores durante os períodos de congelamento da sua carreira.
Recomendadas

OE2017: Carga fiscal atinge 34,4% do PIB no ano passado

Segundo dados atualizados do INE, a carga fiscal, que inclui receita de impostos e contribuições efetivas, subiu de 34,1% em 2016 para 34,4% em 2017, igualando assim o valor registado apenas em 2015, último ano do Governo liderado por Pedro Passos Coelho.

Energias renováveis: Portugueses entre os que mais consomem energia ‘limpa’ na União Europeia

Portugal conquistou a medalha de bronze no pódio, sendo o terceiro país na União Europeia que maior percentagem das suas necessidades energéticas são satisfeitas com energias renováveis.

“Isenção, imparcialidade e rigor”: o que espera Assunção Cristas da nova PGR

Cristas lembrou que desde 2010 que o CDS defende que “deve haver um maior escrutínio nestas escolhas, nomeadamente, através de audições públicas a realizar no parlamento”.
Comentários