Segundo e último debate presidencial norte-americano mais sereno apesar de acusações cruzadas de corrupção

Regras definidas pela organização e intervenção da moderadora permitiram uma troca de argumentos mais próxima dos debates tradicionais. Trump acusou Biden de querer acabar com a indústria petrolífera, enquanto o candidato democrata realçou o número de mortes provocadas pela Covid-19. Mas o conteúdo do portátil de Hunter Biden, filho do antigo vice-presidente, também ganhou protagonismo.

Segundo e último debate Donald Trump. e Joe Biden

Donald Trump e Joe Biden protagonizaram na noite de quinta-feira (madrugada de sexta-feira em Portugal) um debate presidencial bem mais sereno do que o primeiro, apesar de o atual presidente e o antigo vice-presidente terem trocado acusações de corrupção entre si. As regras definidas pela organização, destinadas a que não se repetisse o caos do primeiro debate, e a moderação da jornalista Kristen Welker, permitiram perceber melhor as ideias de cada um dos candidatos, algumas das quais com possíveis consequências nos resultados eleitorais, como quando Biden deixou claro que a extração de petróleo não pode passar incólume às preocupações ambientais. “Ele disse que vai destruir a indústria petrolífera”, realçou Trump, dirigindo-se aos eleitores do Texas e do Oklahoma, mas também da Pensilvânia, um dos estados indecisos em que derrotou Hillary Clinton em 2016 mas surge agora atrás nas sondagens.

O debate arrancou com a resposta à Covid-19, tema difícil para o ocupante da Casa Branca, com Joe Biden a recordar os 228 mil norte-americanos que sucumbiram à pandemia e a acusar o presidente de “não ter nenhum plano”. Por seu lado, Trump respondeu que a taxa de mortalidade está a diminuir e anunciou que “uma vacina será anunciada dentro de semanas”. Mesmo sem falarem ao mesmo tempo, os dois candidatos não pouparam ataques, com o candidato democrata a referir-se ao presidente dos Estados Unidos como “o mesmo fulano que disse que isto estaria resolvido na Páscoa”, enquanto Trump colocou ênfase na necessidade de manter a economia do país a funcionar, “pois nem todos nos podemos trancar na cave como o Joe faz”.

Foi então que começaram as acusações aguardadas por todos, na sequência das revelações sobre os mails encontrados no disco rígido do portátil de Hunter Biden – o segundo filho de Joe Biden, cujo passado de toxicodependência e ligações a interesses estrangeiras já tinham sido abordados no primeiro debate -, pois Trump disse que o rival democrata pode dar-se ao luxo de ficar em casa “porque ganhou muito dinheiro”, referindo mais tarde que a campanha de Biden “recebe muito dinheiro de Wall Street”.

O tom adensou-se no segmento seguinte do debate, dedicado à segurança nacional. “A tua família recebeu 3,5 milhões de dólares de Putin e um dia vais ter que explicar a razão”, disse Trump a Biden, antes de citar um alegado mail retirado do portátil de Hunter Biden em que se faz referência a 10% que têm de ser entregues “ao grande homem”. O candidato democrata disse que “nunca recebeu um cêntimo de nenhum país estrangeiro”, dizendo que “este tipo tentou subornar o governo ucraniano para dizer coisas más acerca de mim” e virando a atenção para os negócios do atual presidente com a China e a reticência de Trump em revelar as suas declarações de impostos. Algo que o levou a repetir várias vezes que pagou “milhões e milhões de dólares em impostos” antecipadamente.

Pouco se falou de política internacional durante o segundo e último debate presidencial, centrando-se sobretudo essa parte da discussão na relação com a China e com a Coreia do Norte. A esse propósito, Donald Trump gabou-se de ter travado a ameaça de uma guerra nuclear que provocaria milhões de mortes na península coreana – apostando noutra ideia-forte recorrente, a de que o rival esteve oito anos no poder, “e não há assim tanto tempo”, mas nada fez -, sendo acusado por Biden de “legitimar” o regime e o ditador norte-coreano Kim Jong-un.

Joe Biden marcou pontos no segmento sobre cuidados de saúde, acusando o presidente norte-americano de ter planos para deixar 20 milhões de norte-americanos sem seguro e defendendo-se das acusações de ter um “plano socialista” que acabaria por eliminar os seguros de saúde privados detidos por 180 milhões. “A minha diferença é que vejo os cuidados de saúde como um direito e não como um privilégio”, disse o democrata, que reagiu às palavras de Trump sobre as intenções da candidata a vice-presidente Kamala Harris e ao derrotado nas primárias Bernie Sanders: “Ele está a concorrer com Joe Biden. Eu derrotei essas pessoas todas.”

Seguiram-se temas como o salário mínimo de 15 dólares horários defendido por Joe Biden, que Donald Trump considera poder levar ao encerramento de pequenas e médias empresas que já se encontram em dificuldades devido à pandemia, a imigração – com o democrata a recordar as centenas de crianças que foram separadas dos pais e não voltaram a encontrá-los e o republicano a salientar que as jaulas em que chegaram a ser colocadas foram instaladas durante a administração de Barack Obama, do qual o agora rival eleitoral era vice-presidente – e o racismo. Nesse ponto, Trump voltou a lembrar a legislação criminal que Biden elaborou quando era senador, na qual se referia a homens negros como “superpredadores”, assumindo-se como “a pessoa menos racista da sala” e o “presidente que fez mais pelos negros, com a possível exceção de Abraham Lincoln [que aboliu a escravatura nos Estados Unidos]”. Nada que convencesse Joe Biden, que lhe chamou “um dos presidentes mais racistas”, pois “está sempre disposto para atirar gasolina para o fogo”.

Antes do final de um debate que encerrou com Biden a reforçar que a eleição disputada a 3 de novembro é uma escolha entre o carácter dos dois candidatos e a apelar aos eleitores para “escolherem a ciência em vez da ficção e a esperança em vez do medo”, e Trump a profetizar que “o sucesso irá juntar-nos” e a apelar a todos para fazerem “um país bem-sucedido, como era antes da praga vinda da China”, os dois candidatos mostraram grandes divergências sobre as alterações climáticas. O atual presidente disse que o plano do rival democrata “é o mais maluco que algum dia se viu”, apontando-lhe um custo de 100 biliões de dólares, e garantindo que “não irá sacrificar milhões de empregos por causa do Acordo de Paris”, ao qual Biden, que chegou a olhar para o relógio para ver quanto tempo faltava, garantiu que os Estados Unidos voltarão a aderir caso se torne o próximo presidente.

 

Ler mais
Recomendadas

Trump volta aos comícios este sábado para fazer campanha por republicanos na Georgia

As recorrentes e infundadas alegações de fraude eleitoral e os ataques a quem, dentro do Partido Republicano, se tem recusado a alinhar com a teoria podem causar danos junto do eleitorado, quando se aproximam duas eleições decisivas na Georgia para o controlo do Senado. Governador e Secretário de Estado do ‘Peach State’ foram dois dos visados por Trump.

“Donald Trump quer um acordo para não ser acusado”, diz ex-porta-voz Scaramucci

Num painel da Web Summit, o ex-porta-voz que se tornou crítico disse que Donald Trump quer causar “tanto estrago quanto humanamente possível” para conseguir um acordo de imunidade. Estrategas dos dois lados do espectro político disseram que a reação Trump aos resultados tem causado distração desnecessária.

Trump promete continuar luta para afastar Biden da Casa Branca apesar de já ter reconhecido derrota

Donald Trump mantém a sua versão de que ocorreu fraude eleitoral, apesar de não apresentar qualquer facto ou provas que comprovem a sua afirmação.
Comentários