Semana decisiva no PSD arranca com Rio a Norte e Montenegro a ser recebido por Marcelo

Marcelo Rebelo de Sousa recebe o social-democrata Luís Montenegro às 14:00 desta segunda-feira, a pedido deste, depois de na sexta-feira à noite o Presidente se ter encontrado com Rui Rio.

Tiago Petinga/Lusa

O antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro é hoje recebido em audiência pelo Presidente da República, em Belém, enquanto o presidente do partido, Rui Rio, cumpre uma agenda intensa a norte.

Depois do desafio de Montenegro à convocação de eleições diretas antecipadas – rejeitado por Rui Rio, mas que submeterá a direção a um voto de confiança do Conselho Nacional -, a semana social-democrata começa com os dois protagonistas da crise separados por centenas de quilómetros.

montenegro, um encontro onde foram debatidos temas “quer da política interna, quer da política externa”, de acordo com o presidente do PSD.

O chefe de Estado justificou ter pedido o encontro com Rui Rio porque precisava de tomar “decisões sobre diplomas”, incluindo o da descentralização, e esta semana tinham “calendários completamente incompatíveis”.

Hoje, Rui Rio começa o dia com uma visita à empresa têxtil RIOPELE em Vila Nova de Famalicão (Braga), às 11:00, seguindo-se à tarde uma visita aos Estaleiros Navais de Viana do Castelo, reunindo-se à noite com militantes deste distrito, à porta fechada.

Para o resto da semana, a agenda do presidente do PSD está ainda por definir, tendo sido desmarcada a reunião com os militantes do distrito de Setúbal prevista para quarta-feira, de acordo com fonte do seu gabinete, quando se aguarda que seja convocada a reunião extraordinária do Conselho Nacional do partido.

A data dessa reunião será marcada no início da semana, assegurou no sábado à Lusa o presidente do órgão máximo do PSD entre congressos, Paulo Mota Pinto, que confirmou ter recebido um requerimento a pedir a votação de uma moção de confiança à direção, que deu entrada na sexta-feira à noite.

Segundo o regulamento do Conselho Nacional, a convocação de uma reunião extraordinária determina a sua realização “no prazo máximo de 15 dias da receção do requerimento, salvo se outro prazo mais curto for requerido”, devendo ser convocada com a antecedência mínima de três dias.

Na sexta-feira, o antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro manifestou disponibilidade para se candidatar à liderança e desafiou Rui Rio, que completou no domingo um ano de mandato, a convocar eleições diretas antecipadas de imediato.

A resposta de Rio chegou um dia depois, no sábado: “A minha resposta é não”, disse o presidente do partido, que anunciou, contudo, ter pedido a convocação de um Conselho Nacional extraordinário para que o órgão aprecie e vote uma moção de confiança à sua direção.

“Se for esse o seu entendimento, o Conselho [Nacional] pode retirar a confiança à direção nacional e assumir democraticamente a responsabilidade de a demitir. Se os contestatários não conseguiram reunir as assinaturas para a apresentação de uma moção de censura, eu próprio facilito-lhes a vida e apresento […] uma moção de confiança”, afirmou o presidente do PSD.

Rio referia-se a um movimento promovido por alguns dirigentes distritais de recolha de assinaturas para convocar um Conselho Nacional extraordinário com vista à apresentação de uma moção de censura à direção.

O artigo 68.º dos estatutos do PSD determina que “as moções de confiança são apresentadas pelas Comissões Políticas e a sua rejeição implica a demissão do órgão apresentante”.

O regulamento do Conselho Nacional determina ainda que as votações do Conselho Nacional se realizam por braço no ar, com exceção de eleições ou se tal for requerido “por pelo menos um décimo dos membros do Conselho Nacional presentes”.

Integram o Conselho Nacional no total 136 membros, cerca de 70 eleitos e quase o dobro por inerência.

Ler mais
Relacionadas

Marques Mendes sobre guerra no PSD: “É sempre melhor clarificar”

O comentador acredita que Rui Rio vai sair vencedor do Conselho Nacional mesmo que o voto seja secreto. Se isso acontecer de facto, sai reforçado para enfrentar António Costa nas legislativas de outubro, mesmo que as europeias de maio não lhe saiam de feição.

Rui Rio: “o PSD pode ganhar as eleições. Ai pode, pode”

O presidente do PSD, Rui Rio, defendeu numa entrevista hoje publicada no Jornal de Notícias que o PSD pode ganhar as próximas legislativas, até por considerar que o PS já está em condições de as perder.

Maria Luís Albuquerque preferia “verdadeira clarificação” com diretas e lamenta “ataques pessoais”

A ex-ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque lamentou hoje que o presidente do PSD não tenha marcado “de imediato” eleições diretas para “uma verdadeira clarificação”, e considerou “desnecessários” os “ataques pessoais” a Luís Montenegro.

Rui Rio: “O PS está em condições de perder, vamos nós pôr-nos em condições de ganhar”

Apesar da forte contestação interna, o líder do PSD confia numa vitória nas legislativas de outubro.

Crise no PSD: Paulo Rangel diz que Rui Rio demonstrou “coragem” e “bom senso”

O antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro manifestou disponibilidade para se candidatar à liderança e desafiou Rui Rio a convocar eleições diretas antecipadas de imediato.
Recomendadas

Parlamento discute fim da fixação de preços no setor do táxi

Os sociais-democratas consideram que esta prática restringe a concorrência e impede a “normal resposta da oferta a diferentes condições da procura, em detrimento da eficiência económica”.

Resolução do BES está a ser feita às prestações, diz presidente do Fundo de Resolução

“O que aconteceu em Portugal, é que o Fundo de Resolução foi criado em 2012, e em 2014, tinha apenas 337 milhões de euros”, salientou Máximo dos Santos. O Fundo de Resolução já pagou 466 milhões de euros em juros e comissões ao Estado, com as medidas de resolução, explicou Máximo dos Santos.

Nuno Melo: “O PPE fez muito mais do que os socialistas no caso da Roménia”

Eurodeputado português participou na reunião em que foi decidido, quase por unanimidade, suspender o Fidesz, partido do polémico primeiro-ministro húngaro Viktor Orbán.
Comentários