Senhorios têm de pagar para deixar de ter alojamento local

A Associação do Alojamento Local em Portugal (ALEP) e juristas, consultados pelo DN / Dinheiro Vivo, pedem uma simplificação de regime fiscal.

Senhorios que tenham um imóvel com um regime fiscal de alojamento local poderão ter de pagar mais-valias caso mudem o estatuto. A Associação do Alojamento Local em Portugal (ALEP) e juristas, consultados pelo DN / Dinheiro Vivo, pedem uma simplificação de regime fiscal, sendo que existiam 8.147 registos de alojamentos locais, apenas em Lisboa, segundo noticia esta segunda-feira o diário.

“É uma situação muito ingrata da lei”, disse o jurista António Gaspar Schwalbach sobre o enquadramento fiscal para o alojamento local que pode implicar o apagamento de mais-valias que abandone o estatuto, mesmo que seja para vender a casa. A questão é que o alojamento local é classificado pelo fisco como prestação de serviços, ou seja, tributado na categoria B quando as pessoas abrem atividade.

A mais-valia diz respeito à diferença entre o valor de aquisição da casa e o valor de mercado à data da afetação, de acordo com o DN / Dinheiro Vivo. “Esta questão das mais-valias é um dos maiores obstáculos à legalização do alojamento local”, acrescentou o presidente da ALEP, Eduardo Miranda. Esta é também uma das razões para que haja quem desista, mantenha o registo e não cancele a atividade, segundo o presidente da ALEP.

Retirar o imóvel da atividade profissional e realizar a reafetação ao uso pessoal implica uma nova mais-valia, correspondente à diferença do valor existente à data de colocação do imóvel no alojamento local e ao valor no momento em que é retirado da atividade. Segundo a advogada da CCA Ontier, Carla Matos, há proprietários que não têm conhecimento ou que se esquecem desta questão. “As pessoas esquecem-se que estão a mudar a afetação da casa e que isto tem implicações fiscais”, diz.

Recomendadas

Jornal Económico teve melhor desempenho de sempre no primeiro trimestre de 2019

Site do Jornal Económico recebeu 12,5 milhões de visitas entre janeiro e março de 2019, o que representa uma subida de 20% face ao mesmo período do ano passado. Número de utilizadores do site cresceu 30% para cinco milhões e circulação da edição semanal superou pela primeira vez a fasquia dos dez mil exemplares. Obrigado pela sua preferência!

Ministro do Planeamento: Governo quer ter 100% do Portugal 2020 aprovado até ao fim do ano e uma execução de 50%

Nelson de Souza revelou em entrevista à Antena1/Negócios que as aprovações em curso, ao longo de 2019, dos fundos de coesão – sem contar com a agricultura – vão corresponder a um total de 5 mil milhões de euros.

Agência Espacial: Portugal pretende multiplicar negócios por dez até 2030

Acabada de criar, a Agência Espacial Portuguesa é vista pelo ministro da Ciência, Manuel Heitor, como a força capaz de criar mil empregos e gerar uma faturação de 400 milhões de euros até ao fim da próxima década.
Comentários