Será a marijuana o caminho para uma ‘mina de ouro’?

Empresas que investiram neste negócio, tais como a ”Canopy Growth”, ”Aurora” e ”Aphria”, apresentam subidas significantes em bolsa há um ano, com um património atual avaliado em milhões de doláres.

Após a legalização da venda e consumo da marijuana para fins recreativos no Canadá a questão tem ressoado: será que a venda desta planta é o negócio do futuro?

A questão levantou-se quando o Senado canadiano legalizou o consumo e livre comercialização desta planta para fins recreativos este verão, fazendo dos canadianos a segunda nação do mundo a aderir à moda iniciada por alguns estados norte-americanos.

Empresas que investiram neste negócio, tais como a ”Canopy Growth”, ”Aurora” e ”Aphria”, apresentam subidas significantes em bolsa há um ano, estimando um património atual avaliado em milhões de dólares.

O boom na adesão deste mercado tem-se expandindo por toda a indústria. O exemplo mais extremo é a ”Tilray Inc.”, uma empresa especializada na comercialização e exportação de marijuana medicinal, que tem visto as suas ações tanto no verde como no vermelho desde julho.

Na passada quarta feira, 19 de setembro, a fabricante de canábis quase duplicou os seus ganhos antes de os ter perdido todos em menos de uma hora, apenas para fechar na bolsa 40% mais alto do que tinha começado, escreve a Bloomberg. Quase 6,5 mil milhões em ações da ”Tilray” foram negociadas nas bolsas norte-americanas perdendo apenas para 7,6 mil milhões da Amazon. A fabricante de marijuana terminou o dia com mais de 40% das empresas do S&P 500.

O interesse pela venda da marijuana está-se a fazer sentir nas bolsas. Esta legalização tem acelerado as subidas bolsistas das empresas dedicadas a este negócio nos últimos dias.

Ler mais
Relacionadas

Canadá é o segundo país do mundo a legalizar canábis

O país vai tornar-se no primeiro do G7 a tornar legal o consumo recreativo desta planta, após a histórica lei ser aprovada pelo Senado.

TC da África do Sul descriminaliza consumo de canábis para uso privado

Trata-se de uma decisão histórica tomada por unanimidade.

Coca-Cola equaciona lançar bebidas à base de canábis

A Coca-Cola estará a estudar a hipótese de fazer bebidas à base de canábis. Em comunicado, a empresa norte-americana acredita no potencial do canabidiol enquanto um ingrediente de bebidas focadas na saúde e no bem-estar.

Produção de óleo de canábis com investimento de cinco milhões em Nelas

O investimento de cinco milhões de euros é para concretizar na zona industrial de Nelas, onde a autarquia cedeu um lote de terreno de cinco mil metros quadrados para se instalarem.

Dona da cerveja Corona investe mais de 3 mil milhões em marijuana

A Constellation Brands chegou a acordo para aumentar a sua participação na Canopy Growth para os 38%. A empresa canadiana é a maior produtora legal do mundo de canábis.
Recomendadas

OCDE: Portugal é dos poucos países onde perceção sobre imigração evoluiu positivamente

Portugal foi um dos poucos países europeus onde a perceção sobre os imigrantes evoluiu mais favoravelmente nos últimos doze anos, de acordo com um relatório da OCDE, que considera o país uma “notável exceção”.

Ana Paula Vitorino garante que a próxima reunião do Porto de Setúbal “é para fechar um acordo”

Na entrevista, a ministra do Mar faz pela primeira vez as contas aos prejuízos da greve no Porto de Setúbal e revela que se a greve continuasse até ao final do ano, haveria uma redução de 70% no volume de negócios. Até ao momento, segundo a ministra do Mar, “o prejuízo ronda os 50% de um total anual de 300 milhões de euros, sem contar com o valor induzido”.

136 mil participantes e 1.200 detenções: os números dos protestos dos “coletes amarelos” este sábado

Perto de 136.000 pessoas participaram nesta jornada de mobilização, tantas quantas as que engrossaram a mobilização de 1 de dezembro, acrescentou o Ministério do Interior.
Comentários