Serão os jogadores a pagar a crise no futebol português? Veja o ‘Jogo Económico

Numa crise sem precedentes, alguns dos clubes mais poderosos do mundo já anunciaram cortes significativos nos salários. Como será em Portugal? Joaquim Evangelista, presidente do Sindicato de Jogadores Profissionais de Futebol, é o convidado do programa.

Os jogadores podem ser as primeiras vítimas do impacto económico da pandemia do Covid-19 nas ligas europeias. Em vários campeonatos, alguns dos maiores clubes do mundo já chegaram a acordo com os seus atletas para redução do salário. Como será em Portugal? Serão os jogadores a pagar a crise no futebol português?

Este vai ser o tema da primeira parte do programa “Jogo Económico” da plataforma JE TV, que vai contar com a presença de Joaquim Evangelista, presidente do Sindicato de Jogadores Profissionais de Futebol e com os comentadores habituais: João Marcelino, Luís Miguel Henrique e Diogo Luís.

Não perca o programa ‘Jogo Económico’ esta sexta-feira a partir das 19h00 na plataforma JE TV e nas redes sociais. Uma hora antes, às 18h00, pode assistir ao programa no canal ‘A Bola TV’.

Na segunda-parte vamos avaliar de que forma podem os clubes com mais capacidade ajudar os emblemas com maiores dificuldades sem beliscar o espírito da verdade desportiva, tal como aconteceu na Bundesliga com os quatro clubes com mais músculo financeiro a disponibilizarem um fundo de 20 milhões de euros para os emblemas mais desfavorecidos.

Recomendadas

Estaleiros de Viana, CTT Logística e STCP apostam na inovação

A tecnologia está a diferenciar as novas soluções que respondem às necessidades dos serviços e negócios nascidos da rápida evolução que os mercados estão a ter no transporte e na logística.

Hotéis do grupo Prainha reabrem com 24 horas de intervalo em cada dormida

As unidades hoteleiras em Alvor e Lagos voltam a abrir portas na próxima sexta-feira.

Respostas rápidas: Como vai funcionar o novo Instrumento de Apoio à Solvabilidade europeu

O novo instrumento temporário proposto pela Comissão Europeia é dirigido a empresas “economicamente viáveis”, mas que enfrentam problemas de solvabilidade provocados pela crise da Covid-19. Quer desbloquear 300 mil milhões de euros para empresas situadas na União Europeia e um dos critérios de acesso é que com base nas contas de 2019 não apresentassem já necessidades de auxílios.
Comentários