“Seria catastrófico!” Nike, Adidas e mais 171 empresas fazem apelo a Donald Trump

Estas empresas integram uma extensa lista de 173 companhias que pediram ao presidente dos EUA para reverter a decisão da imposição de tarifas sobre os produtos exportados da China.

Guerra Comercial EUA-China

Duas das maiores empresas de vestuário e calçado desportivo do mundo, Nike e Adidas, mostram-se contra o aumento das tarifas de Donald Trump sobre produtos exportados da China, alertando que uma guerra comercial teria consequências “catastróficas” para as empresas e consumidores, segundo revela o jornal “El Economista”, esta quinta-feira.

As empresas norte-americana e alemã fazem parte de uma extensa lista de 173 empresas que pediram ao presidente dos Estados Unidos para reverter a decisão de imposição de tarifas sobre os produtos exportados da China, um mercado que continua a ser extremamente importante para o setor têxtil, que detém uma parte substancial das fábricas de produção.

De acordo com os relatórios da Nike, a produção na China foi responsável por 25% do total em 2018. Um valor semelhante teve a Puma (24%). No caso da Adidas, chegou aos 18%, o mesmo valor da Under Armour.

As 173 empresas indicam que essas tarifas iriam afetar não apenas os seus negócios, mas também os consumidores e consequentemente a economia dos Estados Unidos em geral.

Este grupo de 173 empresas estima que o impacto poderá chegar aos 6,3 mil milhões de euros por ano. Além disso, a situação iria agravar o descontentamento de um setor, que é suportado por um regime fiscal bastante elevado nos Estados Unidos, sendo por isso um motivo em comum para a insatisfação destas empresas.

Recomendadas

Um ministro das Finanças e um orçamento comum, as receitas de Blanchard para a Zona Euro

O antigo economista-chefe do FMI traçou o caminho para uma política monetária e orçamental mais coordenada para a zona euro. Além da criação de um posto de ministro das Finanças, Olivier Blanchard disse que é essencial agilizar as políticas sobre o défice e sugeriu um orçamento comunitário comum.

Governo estuda emissão de obrigações para empresas industriais

O Governo está a estudar lançar emissões de obrigações agrupadas para vários setores, nomeadamente o industrial, depois de anunciar hoje uma operação destinada a empresas de turismo, de acordo com o ministro Adjunto e da Economia.

“A economia está a arrefecer”, alerta banco central da Alemanha 

O Bundesbank, banco central alemão, considerou esta segunda-feira que a economia da Alemanha está a abrandar após um período de grande prosperidade, mas espera uma estabilização no segundo semestre do ano.
Comentários