“Seria catastrófico!” Nike, Adidas e mais 171 empresas fazem apelo a Donald Trump

Estas empresas integram uma extensa lista de 173 companhias que pediram ao presidente dos EUA para reverter a decisão da imposição de tarifas sobre os produtos exportados da China.

Guerra Comercial EUA-China

Duas das maiores empresas de vestuário e calçado desportivo do mundo, Nike e Adidas, mostram-se contra o aumento das tarifas de Donald Trump sobre produtos exportados da China, alertando que uma guerra comercial teria consequências “catastróficas” para as empresas e consumidores, segundo revela o jornal “El Economista”, esta quinta-feira.

As empresas norte-americana e alemã fazem parte de uma extensa lista de 173 empresas que pediram ao presidente dos Estados Unidos para reverter a decisão de imposição de tarifas sobre os produtos exportados da China, um mercado que continua a ser extremamente importante para o setor têxtil, que detém uma parte substancial das fábricas de produção.

De acordo com os relatórios da Nike, a produção na China foi responsável por 25% do total em 2018. Um valor semelhante teve a Puma (24%). No caso da Adidas, chegou aos 18%, o mesmo valor da Under Armour.

As 173 empresas indicam que essas tarifas iriam afetar não apenas os seus negócios, mas também os consumidores e consequentemente a economia dos Estados Unidos em geral.

Este grupo de 173 empresas estima que o impacto poderá chegar aos 6,3 mil milhões de euros por ano. Além disso, a situação iria agravar o descontentamento de um setor, que é suportado por um regime fiscal bastante elevado nos Estados Unidos, sendo por isso um motivo em comum para a insatisfação destas empresas.

Recomendadas

Governo também vai baixar duração máxima dos contratos a prazo no Estado para dois anos

“O Governo assume desde já o compromisso, como empregador, de emitir uma orientação a todos os serviços para respeitarem os tempos que estão previstos no Código do Trabalho”, disse o ministro do Trabalho.

Número de turistas no Algarve cresceu 9,3% no primeiro semestre de 2019

A Algarve recebeu, entre janeiro e junho, mais 9,3% de hóspedes do que no mesmo período de 2018, o que representa mais 3,3% de dormidas e um aumento de 7,9% nos proveitos totais, segundo o Instituto Nacional de Estatística.

Primeiro-ministro de Itália demite-se

Giuseppe Conte arrasou o ‘seu’ ministro do Interior, Matteo Conte, a quem acusou de ter um projeto pessoal que não passa necessariamente por aquilo que são as prioridades do país.
Comentários