Serralves e Gulbenkian no mapa cultural do Bankinter

Fundador de Serralves desde 2019, o Bankinter anuncia também o apoio à exposição “Cérebro, mais vasto que o céu”, organizada pela Fundação Calouste Gulbenkian.

Alberto Ramos

O Bankinter, que já se tornou este ano Fundador de Serralves, anunciou esta terça-feira que será mecenas da exposição “Cérebro, mais vasto que o céu”, organizada pela Fundação Calouste Gulbenkian, por ocasião dos 150 anos do nascimento de Calouste Sarkis Gulbenkian.

“Estes dois protocolos com duas instituições mundialmente reconhecidas e com um papel ímpar junto da sociedade portuguesa, surgem no seguimento de uma estratégia de proximidade do Bankinter, no apoio à cultura, à partilha de conhecimento, inovação e desenvolvimento tecnológico”, revela o banco em comunicado.

A exposição “Cérebro, mais vasto que o céu”, na Fundação Calouste Gulbenkian, designada pela fundação como “um marco na agenda cultural e científica em Portugal”, estará patente ao público na Galeria Principal do Edifício Sede da Fundação Calouste Gulbenkian, até ao início de junho, com “múltiplos eventos científicos e artísticos que contarão com a presença de personalidades de referência internacional”, destaca a instituição bancária.

“O reforço do apoio do Bankinter à cultura, através dos dois protocolos formalizados este ano com a Fundação Calouste Gulbenkian e a Fundação de Serralves, é mais uma forma de proximidade do banco e de apoio ao desenvolvimento da sociedade. Temos como missão, apoiar as famílias e as empresas e entendemos que o fomento da cultura e do conhecimento é parte integrante dessa missão”, realça Alberto Ramos, CEO do Bankinter Portugal.

 

Recomendadas

Chineses desistem de comprar o BNI Europa

O contexto de incerteza na economia global causada pela pandemia da Covid-19 levou o Grupo chinês KWG a desistir de comprar 80,1% da participação do BNI Europa. Negócio estava alinhavado desde dezembro de 2017.

Empresas vão receber 150 milhões de euros do Novo Banco nos próximos dias ao abrigo da linha capitalizar Covid-19

O banco liderado por António Ramalho referiu, em comunicado, que os primeiros 150 milhões de euros que serão concedidos às empresas que são clientes da instituição financeira já têm os respectivos processos “em fase final de assinatura digital”.

Fidelidade vai manter serviço de esclarecimento jurídico após críticas de advogados

O Conselho Regional da Ordem dos Advogados disse que a oferta era ilícita, mas a companhia de seguros considera a posição precipitada e esclarece que se insere “no âmbito da cobertura de proteção jurídica disponibilizada por inúmeras seguradoras, em Portugal e no estrangeiro, a milhões de clientes”.
Comentários