Serralves e Gulbenkian no mapa cultural do Bankinter

Fundador de Serralves desde 2019, o Bankinter anuncia também o apoio à exposição “Cérebro, mais vasto que o céu”, organizada pela Fundação Calouste Gulbenkian.

Alberto Ramos

O Bankinter, que já se tornou este ano Fundador de Serralves, anunciou esta terça-feira que será mecenas da exposição “Cérebro, mais vasto que o céu”, organizada pela Fundação Calouste Gulbenkian, por ocasião dos 150 anos do nascimento de Calouste Sarkis Gulbenkian.

“Estes dois protocolos com duas instituições mundialmente reconhecidas e com um papel ímpar junto da sociedade portuguesa, surgem no seguimento de uma estratégia de proximidade do Bankinter, no apoio à cultura, à partilha de conhecimento, inovação e desenvolvimento tecnológico”, revela o banco em comunicado.

A exposição “Cérebro, mais vasto que o céu”, na Fundação Calouste Gulbenkian, designada pela fundação como “um marco na agenda cultural e científica em Portugal”, estará patente ao público na Galeria Principal do Edifício Sede da Fundação Calouste Gulbenkian, até ao início de junho, com “múltiplos eventos científicos e artísticos que contarão com a presença de personalidades de referência internacional”, destaca a instituição bancária.

“O reforço do apoio do Bankinter à cultura, através dos dois protocolos formalizados este ano com a Fundação Calouste Gulbenkian e a Fundação de Serralves, é mais uma forma de proximidade do banco e de apoio ao desenvolvimento da sociedade. Temos como missão, apoiar as famílias e as empresas e entendemos que o fomento da cultura e do conhecimento é parte integrante dessa missão”, realça Alberto Ramos, CEO do Bankinter Portugal.

 

Recomendadas

Proposta sindical de aumentos salariais para a banca em 2019 nos 2,72%

No dia 16 de abril, o SNQTB, o SBN e o SIB enviaram a sua proposta negocial aos bancos que integram a mesa negocial da Associação Portuguesa de Bancos (APB).

CPI à Caixa: Lista de 12 a 15 novas audições é fechada hoje. Santos Ferreira e Faria de Oliveira já agendados

Nova fase de audições dá prioridade a antigos presidente da Caixa. Santos Ferreira, Faria de Oliveira e António de Sousa são as próximas personalidades a ser ouvidas, numa lista de novas audições que ficará hoje fechada e que contará com 12 a 15 personalidades entre político, clientes e antigos administradores. Ao nível de documentos, Parlamento insiste junto do Banco de Portugal  com relatório secreto sobre atuação do governador no caso BES.

Lesados do BES e Banif têm 30 dias para reclamar e poder vir a integrar solução

O trabalho dessas comissões nos próximos meses (150 dias corridos no caso do Banif e 120 dias no caso do BES) é avaliar se esses clientes (que têm de ser investidores não qualificados ou não profissionais) foram vítimas de práticas ilícitas na comercialização de instrumentos de dívida (obrigações, papel comercial, ações preferenciais).
Comentários