Simplex+ chega ao INE: Objetivo é reduzir custos

Medida inscrita no Simplex + abrange seis inquéritos.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) pretende reduzir e simplificar inquéritos que realiza junto das empresas e dos cidadãos, através do aproveitamento de informação que os mesmos já forneceram a outras entidades da Administração Pública.

A medida inscrita no Simplex + abrange seis inquéritos, nomeadamente: volume de negócios e emprego na indústria; volume de negócios e emprego nos serviços (parcial); volume de negócios e emprego no comércio a retalho; índice de custo do trabalho; transações intracomunitárias de bens (intrastat); inquérito mensal às rendas de habitação.

No que se refere a inquéritos dirigidos a empresas, “um conjunto de alguns milhares de entidades deixarão de ter de reportar parte da informação que diretamente faziam ao INE”, informa o gabinete da ministra da Presidência e da modernização administrativa, em nota à comunicação social.

A estimativa é que no caso do inquérito ao volume de negócios e emprego na indústria, mais de 2.600 empresas industriais deixarão de reportar mensalmente ao INE as variáveis “Número de Pessoas ao Serviço” e “Total de Remunerações Brutas”, por exemplo. Segundo o INE, isto representará cerca de 79 mil euros de impacto financeiro positivo nesse universo de respondentes a inquéritos.

Já no que concerne aos inquéritos feitos presencial ou telefonicamente, estima-se que esta mudança representará uma poupança superior a 18 mil euros por ano para o INE, em custos com entrevistas, deslocações e comunicações.

Recomendadas

Investimento de 50 milhões vai permitir ao Alqueva ter o maior projeto fotovoltaico flutuante da Europa

Esta foi a solução encontrada pela Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA) para fazer face aos custos elevados que a EDP cobra pelo fornecimento de energia às centrais hidroelétricas de Alqueva e Pedrógão.

Moody’s: Portugal com economia em risco a partir de 2030 devido ao envelhecimento da população

Para contrariar os riscos de recessão económico, a agência defende que devem ser tomadas medidas que aumentem o crescimento da produtividade ou que sustentem o crescimento económico.

Alunos deslocados têm de se registar todos os anos no portal do Fisco para deduzir a renda

A renda paga pelos alunos que estão a estudar a mais de 50 quilómetros de casa pode ser deduzida ao IRS, mas para tal é necessário que todos os anos o estudante comunique ao fisco que se encontra deslocado.
Comentários