Síria: bombardeamentos criam tensão entre os investidores

Estrategista de investimento Salman Ahmed explica que o ataque foi “cirúrgico” e que houve cuidado dos EUA, Reino Unido e França para não atingirem alvos russos durante o bombardeamento à Síria. Estas questões poderão ser tidas em conta pelos mercados e limitar as perdas.

Reuters
Ler mais

Tensão geopolítica é um fator de instabilidade e incerteza entre os mercados e os bombardeamentos de forças norte-americanas, britânicas e francesas à Síria, na madrugada de sábado, deverão penalizar mercados acionistas e de obrigações esta segunda-feira. Por outro lado, o petróleo e o ouro deverão ser os grandes beneficiados.

Apesar de cada evento ser diferente, uma análise da Ned David Research (com base em dados relativos a mais de 20 reações do índice Dow Jones a situações de crise) mostra que os conflitos militares levam a desvalorizações nas bolsas. Mas também que essas perdas tendem a ser compensadas com recuperações nos dias, semanas ou meses seguintes (consoante a extensão temporal do evento).

Com o mundo ainda a tentar perceber o impacto dos bombardeamentos na Síria – justificados por um suposto ataque químico realizado pelo regime de Bashar al-Assad -, espera-se um dia negativo para as bolsas e obrigações. Em sentido contrário, o petróleo deverá prolongar os ganhos da semana passada e o ouro deverá brilhar no tradicional lugar de ativo-refúgio.

“O fluxo noticioso é, na realidade, melhor do que parecia que iria ser a determinada altura da semana passada porque o ataque foi cirúrgico e seguido de uma retirada. Os relatórios mostram que houve cuidado para não atingir alvos russos, o que é um bom sinal e o mercado deverá ter isso em conta”, explicou o estrategista-chefe de investimento da Lombard Odier, Salman Ahmed, em declarações à agência Reuters.

Naeem Aslam, analista-chefe de mercados da Think Markets, acrescentou que “o foco vai estar na reação por parte da Rússia”.

A Rússia – principal aliado da Síria – condenou os ataques à Síria e entregou uma resolução no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). No entanto, o documento que pedia uma condenação dos bombardeamentos conseguiu apenas votos a favor do próprio país, da China (ambos membros permanentes do Conselho de Segurança) e da Bolívia (membro não permanente) pelo que poderá haver ainda outras reações.

Relacionadas

Síria: Estados Unidos, França e Reino Unido entregam novo projeto de resolução na ONU

O documento, entregue menos de 24 horas depois das potências ocidentais atacarem alvos estratégicos na Síria, prevê a criação de um novo mecanismo de investigação sobre o uso de armas químicas no país.

Wall Street em queda em dia de lucros da banca

A queda da cotação em bolsa dos bancos pôs a NYSE em terreno negativo. O petróleo esteve em alta.
Recomendadas

Wall Street fecha mista em dia de Farfetch

O Dow Jones fechou em alta em contra-mão com os Nasdaq e S&P. A estreia de bolsa da Farfetch é um dos destaques em Wall Street, tendo a procura levado a uma subida do preço da ação face ao preço da colocação no IPO (oferta pública inicial).

Farfetch vale 7,02 mil milhões de dólares em bolsa

No lançamento do IPO, as ações da empresa valiam 20 dólares (17,03 euros), mas no final da sessão fecharam com uma cotação de 28,5 dólares. Ao fecho da sessão, a Farfetch tinha uma capitalização bolsista de 7,02 mil milhões de dólares (6,13 mil milhões de euros).

Bolsa de Lisboa fecha em terreno negativo em contra-ciclo com a Europa

A família Sonae, a Mota-Engil e a Pharol estragaram a sessão da bolsa lisboeta ao registarem quedas acima de 3%. A maioria das praças europeias encerrou em alta, com os índices ibéricos a registarem performances inferiores aos pares. O Euro Stoxx 50 registou a décima sessão consecutiva de valorização.
Comentários