Sismo de magnitude de 5,1 registado no Japão

Um abalo sísmico com uma magnitude de 5,1 na escala aberta de Richter foi hoje sentido na capital do Japão, Tóquio, não havendo informação sobre vítimas ou danos materiais elevados.

De acordo com a Agência Meteorológica do Japão, o tremor de terra foi registado às 15:20 horas locais (07:20 em Lisboa) e teve epicentro a este de Tóquio, na província de Chiba, a cerca de 40 quilómetros de profundidade.

As autoridades não acionaram o alerta de tsunami.

Na capital japonesa o abalo sísmico teve uma intensidade de 4 na escala de Richter.

Este abalo ocorreu depois de, durante a última semana, a Agência Meteorológica do Japão ter registado cerca de três dezenas de abalos sísmicos no país com magnitudes entre os 2,0 na escala de Richter, até ao valor de 5,1 hoje registado.

No dia 10 de maio, o Japão já tinha sido abalado por um tremor de terra de magnitude de 6,3 (na mesma escala), com epicentro no sudoeste do país. Não houve registo de vítimas.

O Japão fica no chamado ‘Anel de fogo’, uma das zonas sísmicas mais ativas do mundo, registando a ocorrência de tremores de terra com relativa frequência, pelo que as suas infraestruturas estão projetadas para ter maior resistência a sismos.

Ler mais
Recomendadas

Amazónia: Brasil diz que disponilizou aviões e 44 mil soldados para combater incêndios

Os ministros da Defesa e do Ambiente anunciaram os planos para combater as chamas na Amazónia, que já levaram a protestos internacionais e manifestações no Brasil, devido à forma como o Presidente, Jair Bolsonaro, lidou com a crise ambiental.

Boris Johnson defende que UE deve “deixar cair” rede de segurança irlandesa para evitar um não acordo

O dispositivo previsto no tratado do ‘Brexit’ para a fronteira irlandesa, entre a parte da ilha que inclui o Reino Unido e a República da Irlanda que é membro da UE, constitui um dos principais pontos de desacordo entre Londres e Bruxelas.

União Europeia quer ouvir propostas “realistas e aceitáveis” de Johnson sobre o ‘brexit’

Tusk recordou que Johnson será o terceiro primeiro-ministro britânico com o qual aborda o “brexit”, salientando que não está disponível para colaborar numa saída sem acordo do Reino Unido da união Europeia, prevista para 31 de outubro.
Comentários