“Situação está fora de controlo”. Roménia diz não ter condições para assumir presidência da UE

O Presidente Klaus Iohannis considerou que “a situação está fora de controlo” e referiu-se à “necessidade política de substituir o Governo”, definido como “um acidente da democracia romena”.

Roménia

O Presidente da Roménia considerou hoje que o seu país não está preparado para assumir a presidência rotativa da União Europeia (EU) em 1 de janeiro de 2019, e apelou à demissão do Governo.

O Presidente Klaus Iohannis considerou que “a situação está fora de controlo” e referiu-se à “necessidade política de substituir o Governo”, definido como “um acidente da democracia romena”.

Viorica Dancila, uma política pouco conhecida que assumiu o cargo de primeira-ministra em janeiro, possui um poder reduzido no executivo apoiado pelo Partido Social-democrata (PSD) já que o poderoso dirigente deste partido, Liviu Dragnea, continua na prática a dirigir as políticas do país.

Dragnea, que no passado assumiu diversos cargos executivos, não pode ser designado chefe do Governo devido a uma condenação por manipulação de resultados num ato eleitoral.

“Chegámos à 12º hora e estamos totalmente impreparados”, disse Iohannis. “Não existe qualquer possibilidade de um bom governo ou de um envolvimento apropriado nos assuntos europeus”.

O ministro romeno dos Assuntos Europeus, Victor Negrescu, responsável pela preparação da presidência romena da UE, demitiu-se inesperadamente na semana passada. Responsáveis oficiais tinham aparentemente manifestado descontentamento pelo sucesso de Negrescu na melhoria das relações com a Comissão Europeia, o ramo executivo da UE.

“No Governo, ainda não é claro quem são as pessoas com responsabilidade”, considerou Iohannis. “As pessoas que deveriam ocupar-se com a presidência da UE demitiram-se ou foram dispensadas”.

O líder do PSD, Liviu Dragnea, considerou que as declarações do chefe de Estado, ex-líder do Partido Nacional Liberal (PNL, centro-direita) e o seu principal rival político, constituem “um enorme prejuízo para a Roménia”.

A Roménia tem-se confrontado com uma vaga de protestos relacionada com uma reforma do sistema judicial impulsionada pelo atual Governo social-democrata, muito criticada por Bruxelas, a oposição e as chancelarias ocidentais, em particular por suavizar o combate à corrupção.

Em outubro, a Comissária europeia para a Justiça, a checa Vera Jourová, manifestou preocupação pelas capacidades da Roménia em assumir a presidência rotativa quando optou por minimizar os problemas internos, em particular o combate à corrupção.

A UE divulga na terça-feira o seu último relatório sobre os sistemas judiciais na Roménia e Bulgária. O bloco comunitário tem acompanhado com particular atenção a evolução dos dois países, devido às preocupações relacionadas com corrupção, sistemas de justiça e crime organizado.

Ler mais
Recomendadas

Vieira da Silva: Atrasos nas pensões serão resolvidos “nos próximos meses”

O governante falava aos jornalistas à margem da cerimónia de lançamento da nova aplicação móvel da Segurança Social Direta, no Instituto de Informática, em Oeiras.

Simulador de pensões na função pública estará pronto no início de 2019

“Estamos a finalizar” o simulador de pensões da Caixa Geral de Aposentações, disse Vieira da Silva,

Angola produziu 1,521 milhões de barris de petróleo por dia em novembro

Angola enfrenta desde final de 2014 uma profunda crise económica, financeira e cambial decorrente da forte quebra nas receitas petrolíferas.
Comentários