SkyCity marca regresso da grande construção para habitação

Vai nascer às portas de Lisboa um dos maiores empreendimentos de construção nova dirigido à habitação.

Os grandes empreendimentos de construção nova estão de regresso e na designada Serra de Carnaxide vai nascer o SkyCity. Num momento em que os projetos de reabilitação urbana têm conquistado sobretudo os investidores estrangeiros, os portugueses enfrentam maiores dificuldades na compra de habitação na capital portuguesa, especialmente quando existe falta de oferta de produtos novos na Grande Lisboa. Consciente dessa necessidade o JPS Group decidiu agarrar esta oportunidade e desenvolver o empreendimento SkyCity, um projeto apoiado pelo banco Montepio.

O empreendimento conta com 49 moradias isoladas, 66 em banda e 255 apartamentos de tipologias entre o T2 e o T5, e áreas que podem chegar aos 400 m2. João Sousa, CEO do JPS Group, afirma que o SkyCity vem dar resposta sobretudo aos clientes portugueses, famílias de classe média e média/alta, que procuram moradias e apartamentos com boas áreas, boa construção, acabamentos de luxo, zonas envolventes agradáveis, piscina e garagem a poucos minutos do centro de Lisboa, mas a preços muito competitivos.

80% dos compradores são famílias portuguesas

“Embora também tenhamos clientes estrangeiros, mais de 80% dos compradores são famílias portuguesas com ou sem filhos, mas também clientes solteiros na faixa dos 30 anos que pretendem ter casa própria e que têm critérios de exigência que seria difícil encontrar em termos de qualidade/preço no centro de Lisboa”, explica o responsável que acrescenta, “apartamentos e moradias com as caraterísticas referidas e muitas outras comodidades, não são fáceis de encontrar no centro de Lisboa por menos de 500 mil euros”.

Na verdade, o SkyCity apresenta preços bastante variados e competitivos, a partir de 135 mil euros para os apartamentos. Uma moradia em banda pode custar cerca de 360 mil euros e é possível adquirir uma moradia isolada com piscina por pouco mais de 500 mil euros. “Preços esses que, para a localização e qualidade do empreendimento, podem ser considerados bastante baixos”, admite João Sousa.

Comprar em planta para acompanhar a construção da casa de sonho

Voltou-se novamente à possibilidade de compra em planta e, quanto a isso, João Sousa assegura que é uma vantagem e que também diferencia o JPS Group. “Os projetos são pensados para o cliente e com o cliente. Connosco podem de facto participar ativamente na construção da sua casa de sonho”, explica.

João Sousa garante ainda que é um projeto que está a exceder todas as expetativas, pois já se venderam 80% das moradias e 60% dos apartamentos.

Os primeiros 10 lotes com 50 apartamentos venderam-se numa semana e cerca de um mês depois de terem colocado no mercado mais 10 lotes com 50 apartamentos, voltou-se a repetir esse sucesso. “Vamos lançar brevemente mais 50 apartamentos para venda com tipologias entre T2 e T5. Também vamos ter alguns espaços comerciais disponíveis. Temos já vários clientes em lista de espera, esperamos por isso repetir esse êxito de vendas”, esclarece.

Quanto ao investimento, o CEO revela que ainda é difícil avançar com um valor, mas “estamos a falar naturalmente de vários milhões de euros”.

João Sousa garante que o mercado imobiliário nacional vai continuar a dinamizar, tendo como foco o público português, que é a parte do mercado imobiliário residencial com estas características que procura o SkyCity: “empreendimentos de luxo às portas de Lisboa, mas com preços muito competitivos que fazem com que os portugueses consigam comprar sem fazer grande esforço no seu orçamento familiar e, desta forma, consigam ter uma mais alta qualidade de vida”.

O responsável adianta ainda que, pela confiança no mercado português, a banca também está mais recetiva ao financiamento. “Sem dúvida que a banca de uma forma geral está novamente a apoiar os mais diversos projetos imobiliários e os clientes finais.

A enorme procura que se tem verificado, quer por parte de investidores estrangeiros quer por parte de clientes finais, estrangeiros e portugueses, tem contribuído de uma forma decisiva para o aumento da confiança no mercado imobiliário”, salienta João Sousa.

Portugal está na moda

Apesar do SkyCity estar mais vocacionado para o público português, o responsável assegura que é muito bom para a economia o facto de Portugal estar “na moda” e de, “comparativamente com outros países europeus, ainda apresentar preços muito competitivos, quer a nível do imobiliário, quer a nível hoteleiro, quer mesmo no custo de vida em geral. A beleza do país, a segurança, a boa gastronomia, o clima e a simpatia com que os portugueses recebem os estrangeiros, contribuem em muito para esse sucesso que tem sido crescente”.

“Quanto a nós, queremos continuar a aproveitar esta fase positiva do mercado imobiliário, seguindo sempre a nossa política de colocar as necessidades do mercado e a proximidade aos clientes como prioridade.Temos já em análise novas propostas que estamos certos serão novos sucessos do JPS Group”, conlcui o responsável.

Artigo publicado na edição digital do Jornal Económico. Assine aqui para ter acesso aos nossos conteúdos em primeira mão.

Ler mais
Recomendadas

Valor gerido por fundos de investimento imobiliário cai 26 milhões de euros em julho

A Interfundos (13,1%), a Norfin (10,4%) e a Square AM (10,3%) detinham as quotas de mercado mais elevadas em julho.

PremiumA mesma taxa de esforço, numa casa três vezes maior

No Barreiro, uma família com rendimentos médios de 1.411 euros e uma taxa de esforço de 33% consegue comprar uma casa de 155 m2. Em Lisboa, com rendimentos médios de 1.733 euros e a mesma taxa de esforço, é possível comprar uma casa de 50 m2.

Isabel dos Santos compra mansão em Londres no valor de 14 milhões de euros

A residência fica na zona de Kensington uma das mais luxuosas da capital inglesa. Contudo, o negócio está a gerar polémica entre os vizinhos, já que Isabel dos Santos pretende demolir e reconstruir a casa com um piso adicional subterrâneo.
Comentários