“SMS de alerta”: cidadãos em zonas de risco vão ser alertados pela Proteção Civil

Mensagens serão enviadas para os telemóveis só na existência de alerta vermelho de fogos. Medida entrará em vigor a partir de 1 de junho.

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) vai poder enviar mensagens para os cidadãos que se encontrem em zonas de risco de incêndios. O jornal “Público” revela que esta medida foi autorizada pela Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD). Este alerta será enviado quando for declarado o nível de alerta vermelho, o mais elevado na escala de riscos de incêndios florestais.

A ANPC indica que “a referência territorial para o envio do aviso é a distrital. No entanto, uma vez que a distribuição geográfica das torres de comunicações não é coincidente com essa divisão administrativa, poderão também ser destinatários da mensagem utilizadores de telefone móvel que se encontrem nas imediações dos distritos afectados ou cuja última localização tenha sido nessa zona”.

Esta decisão foi tomada na terça-feira após um pedido da ANPC de um parecer sobre a legalidade do envio de mensagens sem uma autorização prévia dos utilizadores. O processo vai contar com o apoio das operadoras de telecomunicações móveis, que enviará uma mensagem já escrita pela ANPC, para os utilizadores ou assinantes que estejam nas zonas de risco de incêndios.

Este serviço entrará em vigor já a partir de 1 de junho, como de resto foi confirmado esta terça-feira pelo primeiro-ministro António Costa, durante o debate quinzenal no Parlamento.

Relacionadas

Incêndios: 64% dos concelhos tem planos de emergência desatualizados

Pior cenário encontra-se nas indústrias de especial perigosidade, onde dos 34 planos de socorro das autarquias, só três estão atualizados.

Grupo Especial de Combate a Incêndios sem meios básicos

O comandante do Grupo Especial de Combate Contra Incêndios (GIPS) da GNR afirma num ‘email’ interno que “não tem meios necessários” básicos, como luvas, fatos, telemóveis, carros ou computadores, para trabalhar no combate aos incêndios.

Incêndios: Rede Nacional de Postos de Vigia entra em funcionamento na segunda-feira

Os 72 postos de vigia para prevenir e detetar incêndios vão entrar em funcionamento na segunda-feira com 288 vigilantes, passando este ano a estar ativos por um período mais alargado, indicou o Ministério da Administração Interna.

Bombeiros criticam mudanças a “meio da época” na Proteção Civil

O presidente da Associação Nacional dos Bombeiros Profissionais (ANBP), Fernando Curto, criticou hoje a mudança “a meio da época” do comandante da Autoridade Nacional da Proteção Civil e a escolha de um militar para o lugar.
Recomendadas

OE2019: Finanças confirmam fim da proibição dos prémios de desempenho

A confirmação consta de um comunicado do Ministério das Finanças sobre o balanço das reuniões desta tarde com os sindicatos da administração pública, que saíram do encontro com críticas ao Governo por não ter apresentado propostas sobre aumentos salariais no próximo ano.

A importância do “jornalismo lento” como impulsionador do “pensamento crítico sobre o que nos rodeia”

Quiosque Manifesto organiza palestra sobre o “jornalismo lento”, com um dos editores da revista “Delayed Gratification”, precursora desse conceito. A coordenadora Inês Catarina Pinto refuta a “morte do papel”, diz que “estamos a viver uma época de ouro das publicações independentes” e enaltece a “valorização da informação como conhecimento”.

Conferência EXIT promove debate sobre a prostituição e dá voz a sobreviventes que se tornaram ativistas pró-abolicionismo

Num momento em que se desenvolvem iniciativas no sentido de liberalizar o sistema da prostituição em Portugal, a PpDM e o LEM organizam uma conferência com o objetivo de informar sobre modelos alternativos de políticas públicas e alertar para os efeitos nocivos da liberalização que se verificam em países como a Holanda, Alemanha ou Nova Zelândia.
Comentários