Só 15% dos cargos de liderança nas cotadas de Espanha são ocupados por mulheres

O número revela ser mais baixo que a quantidade de mulheres em cargos de conselhos de administração das mesmas empresas, que, no ano passado, registava 18,9%.

Apenas 14,8% dos cargos de gerência nas cotadas da bolsa espanhola são ocupados por mulheres, um valor que se traduz em 156 mulheres no total. O número revela ser mais baixo do que a quantidade de mulheres em cargos de conselhos de administração das mesmas empresas, que, no ano passado, registava 18,9%. Os dados foram divulgados pela Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV), esta sexta feira, 19 de outubro, e divulgados pela imprensa local.

Segundo o regulador do mercado espanhol, os valores ainda estão longe da meta estabelecida em 2020, pelo ‘Código de Boa Governança’ que recomendava que pelo menos 30% dos cargos na administração fossem ocupados por mulheres.

A diferença de género é muito maior entre as empresas que faturam menos de 500 milhões de euros, pois a presença de mulheres em cargos de liderança limita-se a 12,9%. Nas empresas do índice espanhol Ibex 50, a percentagem é ligeiramente superior (14,3%). ACS, BBVA, Grifols, Naturgy e Sacyr têm menos de 10%. A Colonial e a Red Eléctrica foram as empresas destacadas que tiveram os valores mais altos des presenças femininas na equipa, registando uma igualdade total.

O Código de Boa Governança recomenda que as 35 empresas cotadas promovam iniciativas que favoreçam a incorporação de mulheres nos conselhos de administração, para que estas ganhem terreno gradualmente até 2020, cujo objetivo é de 30%. Hoje esses valores são apenas atingidos por nove das empresas da bolsa de Madrid: Siemens Gamesa, Abertis, Santander, Iberdrola, Merlin, Red Eléctrica Corporación, Grifols, Bankinter e Dia.

Recomendadas

Eduardo Catroga no Parlamento: “Mito das rendas excessivas do setor elétrico é uma falsa questão”

Está a decorrer a audição do ex-presidente e atual vogal do Conselho Geral e de Supervisão da EDP no âmbito da Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade. Catroga defende que as “alegadas rendas excessivas” não têm “qualquer fundamento técnico ou jurídico”.

Siza Vieira: “É dever do Estado e das políticas públicas apoiarem o crescimento da produtividade do nosso tecido empresarial”

O Millennium bcp assinou esta quarta-feira com a Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD), conhecida como banco de fomento, o contrato de empréstimo de 60 milhões de euros referentes à Linha Capitalizar MidCaps, proveniente do Banco Europeu de Investimento (BEI), numa cerimónia no Ministério da Economia, em Lisboa.

Nazaré recebeu turistas de 102 países em 2018, incluindo Tahiti, Zimbabwe e Madagáscar

No ano passado, foram os turistas de Espanha, Brasil e Alemanha que registaram o maior aumento do lado da procura pela Nazaré.
Comentários