Sonae reforça na América Latina e entra no Equador com a Losan

A marca de vestuário que o grupo adquiriu em 2015 no mercado espanhol vai reforçar a sua presença na América Latina. A América do Norte e a Índia fazem parte do portefólio de investimentos para 2019.

A Sonae continua a reforçar a marca Losan, que comprou no mercado espanhol, desta vez através do investimento na América Latina e em primeiro lugar no mercado do Equador: a empresa começará a operar no mercado equatoriano no próximo ano.

Com a entrada no Equador, a Losan fortalecerá as suas operações no mercado latino-americano onde já tem forte presença, especialmente no México e na Colômbia, onde possui subsidiárias próprias. O mercado do Equador será assim o seu terceiro investimento, conforme avança o jornal espanhol ‘Modaes’.

A empresa está presente em mais de quarenta países através de quatro mil pontos de venda multimarcas. No próximo ano, segundo a mesma fonte, a Losan pretende também reforçar os seus negócios no Canadá, na Índia e nos Estados Unidos, os mercados onde mais recentemente começou a operar.

A Índia será a aposta mais significativa. No que respeita ao Canadá e aos Estados Unidos, a empresa do grupo Sonae reforçará a sua rede de agentes comerciais de forma a expandir as operações e estabelecer interesses num maior número de cidades.

A Losan possui ainda subsidiárias na Turquia e na Rússia e escritórios comerciais na Itália e na Polónia.

Em Espanha, a empresa está a finalizar a abertura de um outlet em Benidorm, que está prestes a tornar-se operacional. Atualmente, a Losan possui oito estabelecimentos sob este tipo de conceito.

Com um volume de negócios de cerca de 60 milhões de euros e cerca de 200 colaboradores, a empresa espera fechar neste ano com um aumento da faturação da ordem dos 5%, menos que o esperado por causa das vendas nos mercados europeus, que não corresponderma ao que era esperado. Fundada em 1985 por Luis López, a Losan faz parte da Sonae desde 2015.

Ler mais
Relacionadas

Sonae Capital com receitas de 136,7 milhões de euros até setembro

Este valor representa um crescimento de 18,4% em relação mesmo período do ano anterior. O EBITDA alcançou os 16,8 milhões de euros, registando um crescimento de 9,1%.

Sonae faz ‘sale and leaseback’ de cinco estabelecimentos por 55 milhões

A operação de venda e posterior arrendamento (‘sale and leaseback’) de cinco ativos imobiliários dedicados ao retalho alimentar localizados em Portugal foi anunciada ao mercado como totalizando 55,0 milhões de euros e gerado uma mais valia estimada de 25,3 milhões de euros.

Sonae Arauco investe 42,4 milhões em Mangualde

Investimento na fábrica de Mangualde que permitirá criar uma dezena de postos de trabalho e alargar a sua gama de produtos de painéis de fibra de madeira (MDF)
Recomendadas

CGD, Santander Totta, BPI e BCP fecham 2018 com menos 1.071 trabalhadores e 254 balcões

Os quatro bancos que já apresentaram contas e dados relativos a 2018 passaram de 27.221 trabalhadores em 2017 para 26.150 em 2018.

Bancos que apresentaram contas de 2018 aumentaram lucros em mais de 1.100 milhões

Os bancos em causa são a Caixa Geral de Depósitos (CGD), o Santander Totta, o BPI e o BCP. De fora destas contas ficam o Banco Montepio e o Novo Banco, que ainda não apresentaram contas relativas ao ano passado.

Maiores bancos desfizeram-se de pelo menos 5.719 milhões em crédito malparado em 2018

Os bancos alienam carteiras de crédito malparado para melhorarem os seus balanços e também cumprirem as exigências de reguladores e supervisores bancários, que consideram que estes ativos ‘tóxicos’ são a principal fragilidade do sistema bancário português.
Comentários