Sonae vai investir 45 milhões em central de cogeração

Esta entidade, SIAF – Energia, detém e opera a central de cogeração instalada na unidade industrial da Sonae Arauco em Mangualde e é detentora de uma licença para o desenvolvimento e exploração de uma nova central termoeléctrica de cogeração alimentada a biomassa florestal com potência eléctrica de 10MW,

A Sonae Capital, SGPS, SA (Sonae Capital) informou o mercado que, através da sua participada CapWatt, SGPS, SA (CapWatt), adquiriu, hoje, à sociedade Sonae Arauco, SA (Sonae Arauco), por um preço global de, aproximadamente, 900 mil euros (acrescido das disponibilidades), acções representativas de 90% do capital social e direitos de voto da Sociedade de Iniciativa de Aproveitamentos Florestais-Energia, S.A. (SIAF-Energia).

“Esta entidade detém e opera a central de cogeração instalada na unidade industrial da Sonae Arauco em Mangualde e é detentora de uma licença para o desenvolvimento e exploração de uma nova central termoeléctrica de cogeração alimentada a biomassa florestal com potência eléctrica de 10MW, cujo investimento será realizado pela CapWatt e que substituirá a central actualmente em operação (incluindo a venda de energia térmica à referida unidade industrial)”, explica um comunicado da Sonae Capital.

Esse documento acrescenta que “o montante global de investimento a realizar pela CapWatt na referida central termoeléctrica ascenderá a 45 milhões de euros, com entrada em exploração prevista para o segundo semestre de 2019 e irá ocorrer, em parte, em simultâneo com o investimento que está a ser realizado pela Sonae Arauco na modernização e aumento de capacidade da referida unidade industrial”.

“Este investimento enquadra-se na estratégica de longo prazo da Sonae Capital para o seu segmento de energia e, em particular, no reforço e desenvolvimento da tecnologia de cogeração. Em velocidade cruzeiro, esta operação deverá registar um volume de negócios anual de, aproximadamente, 20 milhões de euros e rentabilidade em linha com os demais projectos de cogeração desenvolvidos pela CapWatt”, garante o referido comunicado.

A CapWatt, SGPS, SA e a Sonae Arauco, SA ficaram ainda, respectivamente, com uma opção de compra e uma opção de venda, das acções representativas da parte remanescente do capital social, as quais podem ser exercidas dentro do prazo de cerca de três anos.

Recomendadas

Famílias numerosas com direito a desconto extra na fatura de eletricidade a partir de hoje

As famílias numerosas passam a pagar 13% de IVA sobre os primeiros 150 kwh de eletricidade consumidos num dado mês. Mas atenção que o desconto não é atribuído de forma automática.

Comissão de trabalhadores da Petrogal acusa Galp de “sustentar distribuição de dividendos em dívida e na venda de ativos”

Acusando a administração da Galp de “insanidade económica”, a CCT diz que a administração da Galp “sustenta a distribuição de dividendos relativos aos exercícios de 2019 e 2020 em dívida e na venda dos ativos da Galp Gás Natural Distribuição, um caminho que ficou comprovado levar à destruição da empresa e ser contrário aos interesses nacionais”.

Leilões para a energia eólica offshore em Portugal? EDP admite analisar

A companhia já conta com uma central eólica marítima flutuante na costa portuguesa, com 25 megawatts, o único projeto deste tipo em Portugal. Miguel Stilwell de Andrade admite analisar leilões se Governo avançar. A Europa conta com mais de 22 gigawatts instalados nas costas de vários países.
Comentários