‘Spreads’ das casas não eram tão baixos há quase oito anos

A Caixa Geral de Depósitos, o Crédito Agrícola e o EuroBic alteraram a oferta de crédito à habitação no mês passado. Os “spreads” caíram mais de 5% nesse período.

Konstantin Chernichkin/Reuters

Os spreads do crédito à habitação caíram mais de 5% no último mês em Portugal, fazendo com que os juros não fossem tão baixos há quase oito anos no país, segundo a edição desta terça-feira, 6 de março, do “Jornal de Negócios”.

O jornal comparou as diferentes ofertas de crédito à habitação nos bancos e concluiu que, em fevereiro, a Caixa Geral de Depósitos, o Crédito Agrícola e o EuroBic diminuíram a margem que solicitam no financiamento de compra de imóvel.

“Com as novas regras prudenciais do Banco de Portugal, em principio, os bancos correm menores riscos de incumprimento, o que será uma pressão em baixa nos spreads por duas vias: menos risco e maior concorrência entre bancos”, clarificou à mesma publicação Filipe Garcia, economista da IMF.

A Caixa Geral de Depósitos, que não mexia nestas percentagens há três anos, baixou o valor d 1,75% para 1,50% (tal como o BPI e o Novo Banco), o Crédito Agrícola para 1,75% para 1,40% e o EuroBic 1,65% para 1,49%.

Relacionadas

Taxas Euribor mantêm-se a 3 e 12 meses e caem a 6 e 9 meses

No prazo de 12 meses, a taxa Euribor, que desceu para valores abaixo de zero pela primeira vez em 05 de fevereiro de 2015, manteve-se hoje pela quinta sessão consecutiva em -0,191% e contra o atual mínimo de sempre, de -0,194%, verificado pela primeira vez em 18 de dezembro passado.

Prestações da casa devem ficar praticamente inalteradas em março

De acordo com a simulação efetuada pela Deco, um cliente com um empréstimo no valor de 150 mil euros a 30 anos, indexado à Euribor a seis meses com um ‘spread’ (margem de lucro do banco) de 1%, vai passar a pagar 463,75 euros a partir de março, o que significa apenas menos 20 cêntimos face à última revisão da prestação, em setembro.
Recomendadas

Trump sobre Maduro: poderia ser “rapidamente derrubado” pelo exército venezuelano

Trump, que hoje interveio no primeiro dia do Debate Geral na 73.ª sessão da Assembleia-Geral da ONU, declarou esta terça-feira que a situação na Venezuela é “um caso triste” que deseja “ver resolvido”.

“Querem atacar-me, ataquem-me a mim”. Maduro critica Departamento do Tesouro norte-americano

O primeiro mandatário venezuelano reagia ao anúncio de hoje, de novas sanções do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos da América (EUA) contra quatro pessoas do seu Governo, entre elas Cília Adela Flores de Maduro.

Ex-primeiro francês quer ser presidente da câmara municipal de Barcelona

“Quero ser o próximo presidente de câmara de Barcelona“, disse Manuel Vals, em catalão, numa cerimónia pública no Centro de Cultura Contemporânea da capital da Catalunha, colocando fim a vários meses de dúvida em relação às suas intenções de regressar à cidade em que nasceu há 56 anos.
Comentários