Sri Lanka: Número de mortos causados por ataque de grupo extremista islâmico subiu para 310

A polícia local deteve 40 pessoas no decurso da investigação aos ataques atribuídos a um grupo extremista islâmico local, o National Thowheeth Jama’ath. O número de feridos supera as 500 pessoas.

Lusa

O número de mortos nos ataques terroristas no Sri Lanka subiu para os 310 mortos, segundo um novo balanço divulgado hoje pelas autoridades daquele país que informaram ainda terem detido 40 suspeitos de ligação aos atentados.

“O número de mortos dos atentados de domingo aumentou para 310”, disse à agência de notícias Efe o porta-voz da polícia do Sri Lanka, Ruwan Gunasekara. Os feridos são “mais de 500”, acrescentou, admitindo a dificuldade em fornecer números exatos relativos às vítimas.

O anterior balanço era de 290 mortos e 500 feridos.

O porta-voz da polícia deu ainda conta da detenção de 40 pessoas no decurso da investigação aos ataques atribuídos a um grupo extremista islâmico local, o National Thowheeth Jama’ath, que as autoridades do Sri Lanka acreditam ter sido apoiado internacionalmente.

O Conselho de Segurança da ONU condenou esta segunda-feira os ataques no Sri Lanka, que causaram pelo menos 290 mortos e 500 feridos, e defendeu a punição dos responsáveis.

Numa declaração acordada pelos quinze Estados membros, o Conselho de Segurança sublinhou que todos os que perpetraram, organizaram, financiaram ou apoiaram os ataques devem ser responsabilizados.

O Conselho de Segurança exortou todos os governos a cumprirem suas obrigações internacionais e a cooperarem ativamente com as autoridades do Sri Lanka.

O mesmo órgão das Nações Unidas enfatizou que “qualquer ato de terrorismo é criminoso e injustificável” e que todos os Estados devem combater organizações terroristas, usando “todos os meios”, mas respeitando o direito internacional e os direitos humanos.

Entre as vítimas mortais das oito explosões de domingo está um português residente em Viseu.

A capital do país, Colombo, foi alvo de pelo menos cinco explosões no domingo de Páscoa, em quatro hotéis de luxo e uma igreja.

Duas outras igrejas foram também alvo de explosões, uma em Negombo, a norte da capital e onde há uma forte presença católica, e outra no leste do país. A oitava e última explosão teve lugar num complexo de vivendas na zona de Dermatagoda.

As primeiras seis explosões ocorreram “quase em simultâneo”, pelas 08:45 de domingo (03:15 em Portugal), de acordo com fontes policiais citadas por agências internacionais.

O número de pessoas detidas relacionadas com os ataques, que não foram ainda reivindicados, também aumentou de 13 para 24.

Ler mais
Relacionadas

Homem mais rico da Dinamarca perde três filhos nos atentados do Sri Lanka

Tratam-se dos filhos de Anders Holch Povlsen, que é considerado pela revista norte-americana “Forbes” o 252.º homem mais rico do mundo, avaliando a fortuna do dinamarquês em 7,9 mil milhões de dólares.

Identificado grupo que realizou atentado no Sri Lanka que provocou 290 mortos e 500 feridos

Todos os bombistas suicidas eram cidadãos do Sri Lanka, mas as autoridades suspeitam que tinham ligações ao estrangeiro. O cardeal Malcolm Ranjith, arcebispo de Colombo, disse que os ataques poderiam ter sido evitados.

Milhares de turistas em fuga do Sri Lanka após ataque terrorista que matou 290 pessoas incluindo um português

Os turistas estão a cancelar as suas férias e a dirigirem-se para o aeroporto para tentarem sair do país, após os ataques suicidas que também vitimaram um cidadão português.
Recomendadas

Sismo de magnitude de 5,1 registado no Japão

Um abalo sísmico com uma magnitude de 5,1 na escala aberta de Richter foi hoje sentido na capital do Japão, Tóquio, não havendo informação sobre vítimas ou danos materiais elevados.

Maioria parlamentar na Guiné-Bissau avisa que protesto é a “última exigência pacífica”

Os partidos da maioria parlamentar da Guiné-Bissau avisaram que a marcha hoje realizada é a última exigência pacífica para a nomeação do primeiro-ministro e formação do Governo, depois das legislativas de 10 de março.

Agências de espionagem dos EUA cedem informações a investigação sobre interferência russa

O diretor dos serviços secretos nacionais norte-americanos, Dan Coats, disse hoje que as agências de espionagem irão fornecer ao Departamento de Justiça informações para revisão das atividades de inteligência relacionadas com a alegada interferência russa nas eleições de 2016.
Comentários