Standard & Poor’s anuncia hoje ‘rating’ de Portugal

Há um ano, a S&P tirou Portugal do ‘lixo’, revendo em alta a notação atribuída à dívida soberana portuguesa de ‘BB+’ para ‘BBB-‘, a nota mínima dentro do nível de investimento.

A agência Standard & Poor’s divulga esta sexta-feira o ‘rating’ atribuído a Portugal, no âmbito da revisão regular da notação financeira do país, depois de há um ano ter tirado o país do nível de investimento de ‘lixo’.

Há um ano, em 15 de setembro de 2017, a Standard & Poor’s (S&P) tirou Portugal do ‘lixo’, revendo em alta o ‘rating’ (notação) atribuído à dívida soberana portuguesa de ‘BB+’ para ‘BBB-‘, a nota mínima dentro do nível de investimento.

Com essa revisão em alta para ‘BBB-‘, Portugal voltou a ter uma notação de investimento atribuída por uma das três principais agências de ‘rating’ mundiais.

Em dezembro do ano passado foi a vez de a agência de notação financeira Fitch ter tirado Portugal do ‘lixo’ melhorando em dois patamares o ‘rating’ da dívida pública portuguesa, de ‘BB+’ para ‘BBB’, o segundo nível da categoria de investimento.

Já a Moody’s decidiu, em abril deste ano, não se pronunciar sobre a avaliação de Portugal, pelo que assim se manteve na notação ‘Ba1’ (considerado ‘lixo’), atribuída ao país desde julho de 2014.

A agência norte-americana continua a ser a única das grandes a atribuir à dívida pública portuguesa uma nota de especulação.

Ainda quanto à S&P a última revisão do ‘rating’ de Portugal foi em março, tendo então mantido a nota de Portugal em BBB-, do escalão de investimento, com perspetiva estável.

Na altura, a S&P perspetivou para Portugal a continuação de crescimento económico e consolidação orçamental, ainda que referindo as “vulnerabilidades da elevada, se bem que em queda, dívida externa privada e pública”.

O ‘rating’ pode ser melhorado, acrescentou a agência de notação financeira, se Portugal apresentar progressos na redução das dívidas externa e pública, acima do que espera. A mesma decisão pode ser tomada para “refletir potenciais melhorias na estabilidade financeira”.

Ao contrário, avisou a agência, a nota pode ser revista em baixa, o que significaria o seu regresso a um escalão de investimento especulativo (vulgarmente designado “lixo”), caso haja um “acentuado enfraquecimento do crescimento económico” e se “a situação orçamental se deteriorasse consideravelmente”.

Ler mais
Recomendadas

Maiores marcas de luxo do mundo faturaram 247 mil milhões. Quais as líderes do mercado?

Um estudo da Deloitte concluiu que os grupos LVMH Moët Hennessy Louis Vuitton, Estée Lauder e Richemont não perderam o trono e estão cada vez mais de olho nos chamados “HENRYs” (leia-se: ganham bem mas ainda não são ricos). Já os portugueses ajudaram nas vendas da Furla.

Portugal teve a terceira maior dívida pública da União Europeia em 2018

Portugal registou a terceira maior dívida pública da União Europeia em 2018, ao atingir 121,5% do PIB, divulgou esta terça-feira o gabinete de estatísticas comunitário, o Eurostat, que confirmou um défice orçamental de 0,5%.

BE defende suspensão do concurso para as obras de prolongamento do quebra-mar no porto de Leixões

Projeto de resolução dos deputados bloquistas, entregue ontem no Parlamento, “recomenda a suspensão do concurso limitado por prévia qualificação para as obras de prolongamento do quebra-mar exterior e respetivas acessibilidades marítimas no Porto de Leixões”.
Comentários