Standard & Poor’s mantém rating do Metro de Lisboa e melhora perspetiva

A agência de rating Standard & Poor’s manteve o rating de longo prazo da empresa pública Metropolitano de Lisboa em BBB-, que é a notação mais baixa do grau de investimento. Mas, à semelhança da classificação emitida na semana passada à dívida do Estado português, melhorou a perspetiva (outlook) de estável para positiva.

Rafael Marchante/Reuters

A agência de rating Standard & Poor’s manteve o rating de longo prazo da empresa pública Metropolitano de Lisboa em BBB-, que é a notação mais baixa do grau de investimento. Mas, à semelhança da classificação emitida na semana passada à dívida do Estado português, melhorou a perspetiva (outlook) de estável para positiva.

A notação financeira do Metro de Lisboa vem em linha com a revisão efetuada para a República, o que era esperado uma vez que se trata de uma empresa 100% do Estado.

Na ultima sexta-feira a Standard & Poor’s reafirmou o rating da dívida soberana de Portugal em ‘BBB-’, um nível acima de lixo. A agência foi a primeira das três grandes a retirar Portugal da categoria de investimento especulativo, ao melhorar a avaliação do país em setembro do ano passado para o atual nível BBB- (mais baixo do grau de investimento).

Mas ao melhorar o outlook para a evolução da qualidade da dívida, de “estável” para “positiva”, a agência está a admitir que em breve poderá voltar a elevar a classificação da dívida da República. Se essa revisão se concretizar, o rating passará para BBB (dois níveis acima de lixo).

 

Recomendadas

CTT respondem à Anacom rejeitando que tenham prestado “informação enganosa” sobre a evolução das reclamações

Os CTT e a Anacom estão em guerra de comunicados. Em resposta à resposta da Anacom, os CTT divulgaram hoje um comunicado onde reafirmam que a variação do total de reclamações e pedidos de informação tal como referido no comunicado do passado dia 13, caíram 7%, correspondendo a um aumento de 9% das reclamações em sentido estrito. “As solicitações dos clientes dos CTT compreendem pedidos de informação e reclamações em sentido estrito”, diz a empresa.

Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

O regulador acusa a empresa de ter divulgado informação enganosa ao ter dito que as queixas baixaram 7%.

BCE exige à CGD para 2019 o mesmo rácio de capital que tinha exigido no ano passado

“O requisito de Pilar 2 para a CGD em 2019 é de 2,25%, o que representa uma manutenção face a 2018”, diz a Caixa. Recorde-se que os requisitos de Pilar 2, são os específicos das instituições e confidenciais. “Considerando os rácios da CGD em 31 de dezembro de 2018, são já cumpridos, com uma significativa margem, todos os novos rácios mínimos exigidos em matéria de CET1 (Common Equity Tier 1), Tier 1 e Rácio Total”, diz a CGD.
Comentários