Startup de blockchain Paxos angaria 56 milhões de euros

A empresa vai utilizar o dinheiro arrecadado de investidores como RRE Ventures e Liberty City Ventures para expandir as suas operações.

Cristina Bernardo

A startup de blockchain e criptomoedas Paxos arrecadou esta quinta-feira 65 milhões de dólares (cerca de 56 milhões de euros) de investidores como as sociedades de capital de risco RRE Ventures e Liberty City Ventures e de private equity Jay Jordan.

A Paxos já conseguiu um total de 93 milhões de dólares (aproximadamente 80 milhões de euros).“É um momento crucial nos mercados financeiros. Estamos num ponto de inflexão para reduzir o risco do nosso sistema financeiro e libertar capital preso num sistema de liquidação arcaico”, afirmou o CEO da Paxos, Charles Cascarilla, em comunicado divulgado hoje.

A microempresa tecnológica anunciou na mesma nota que fechou uma ronda de financiamento de série B e que utilizará a injeção de capital para expandir as suas operações, nomeadamente a venda de serviços com base em blockchain para instituições financeiras.

“Esse financiamento adicional irá ajudar as nossas metas de eliminar o risco de liquidação e expandir as nossas ofertas de produtos em todas as regiões geográficas”, explicou Andrew Chang, COO da Paxos, acrescentando que a startup irá continuar a investir na expansão da plataforma. “Simplifica a nossa infraestrutura financeira, oferece maior controlo e estabelece as bases para o futuro”, frisou o responsável.

Recomendadas

Nors abre concurso internacional para startups com 10 mil euros de prémio

As inscrições para o concurso internacional de startups, promovido pelo grupo Nors Digital Disruptos, já está aberto. As candidaturas devem ser enviadas até ao dia 3 de oububro. A startup vencedora ganhará um prémio de 10 mil euros e ainda um ano de incubação.

SIC investe na startup portuguesa ZaasK

A Impresa anunciou esta segunda-feira o lançamento do SIC Ventures e a participação de 5% no capital desta plataforma de serviços.

O sistema mais inovador de eficiência energética do país

Depois da Expo 98 comemorar duas décadas, o Parque das Nações continua a ser um exemplo com a introdução em Portugal do conceito de distribuição centralizada de frio e calor, à escala de uma cidade, tendo conseguido cortar em 40% as emissões de CO2.
Comentários