Startups portuguesas premiadas em evento da InnoEnergy

Pro-Drone e BeOn ficaram no primeiro e segundo lugar, respetivamente do “Pitching Contest” no evento “The Business Booster” realizado na Dinamarca, em Copenhaga.

Terminou da melhor forma para as startups portuguesas o evento “The Business Booster“, organizado pela InnoEnergy, na cidade de Copenhaga, na Dinamarca, entre os dias 17 e 18 de outubro. A Pro-Drone e BeOn ficaram nos dois primeiros lugares do pódio, respetivamente do “Pitching Contest”.

André Moura, da Pro-Drone e Rui Rodrigues, BeOn, receberam um cheque entregue pelo CEO da InnoEnergy, Diego Pavía, de três e dez mil euros, respetivamente.  Em declarações ao Jornal Económico o CEO da Pro-Drone, mostrou-se feliz, mas surpreendido com a vitória.

“Nunca estou à espera de ganhar um prémio. Venho cá para dar visibilidade, conhecer entidades, clientes interessantes e potenciais investidores”, sublinhando que esta conquista é o “reconhecimento do trabalho da Pro-Drone nos últimos três anos, do qual estamos muito orgulhosos”.

André Moura deu os parabéns a todas as startups portuguesas presentes neste evento e que este prémio mostre que todas estão “focadas nas várias áreas que uma startup precisa. Uma delas é capacidade de gerar atenção e exposição para que as pessoas saibam o que fazemos e que possamos crescer os nossos negócios”, afirma.

O cheque de dez mil euros já tem um objetivo definido. “É para nos ajudar a crescer, a desenvolver o nosso produto e aumentar as vendas”, refere.

O CEO da Pro-Drone resumiu ainda qual o papel da empresa no mercado da inovação. “A Pro-Drone desenvolveu uma solução chave na mão para a inspeção de pás de turbina eólicas, utilizando drones autónomos e uma plataforma cloud apoiada em inteligência artificial para a geração de relatórios de identificação automática de danos”.

Recomendadas

Novo Banco eleito melhor banco na área do Trade Finance em Portugal

A seleção contemplou o volume de transações, o serviço ao cliente, a inovação tecnológica e o preçário competitivo.

Estado limitado a um terço dos votos da Inapa

A Inapa esclareceu ainda que, no que diz respeito aos direitos de voto conferidos pela participação que a CGD alienou ao Estado, correspondiam 24,94% dos direitos de voto na Inapa.

Eduardo Catroga no Parlamento: “Mito das rendas excessivas do setor elétrico é uma falsa questão”

Está a decorrer a audição do ex-presidente e atual vogal do Conselho Geral e de Supervisão da EDP no âmbito da Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade. Catroga defende que as “alegadas rendas excessivas” não têm “qualquer fundamento técnico ou jurídico”.
Comentários