Startups portuguesas premiadas em evento da InnoEnergy

Pro-Drone e BeOn ficaram no primeiro e segundo lugar, respetivamente do “Pitching Contest” no evento “The Business Booster” realizado na Dinamarca, em Copenhaga.

Terminou da melhor forma para as startups portuguesas o evento “The Business Booster“, organizado pela InnoEnergy, na cidade de Copenhaga, na Dinamarca, entre os dias 17 e 18 de outubro. A Pro-Drone e BeOn ficaram nos dois primeiros lugares do pódio, respetivamente do “Pitching Contest”.

André Moura, da Pro-Drone e Rui Rodrigues, BeOn, receberam um cheque entregue pelo CEO da InnoEnergy, Diego Pavía, de três e dez mil euros, respetivamente.  Em declarações ao Jornal Económico o CEO da Pro-Drone, mostrou-se feliz, mas surpreendido com a vitória.

“Nunca estou à espera de ganhar um prémio. Venho cá para dar visibilidade, conhecer entidades, clientes interessantes e potenciais investidores”, sublinhando que esta conquista é o “reconhecimento do trabalho da Pro-Drone nos últimos três anos, do qual estamos muito orgulhosos”.

André Moura deu os parabéns a todas as startups portuguesas presentes neste evento e que este prémio mostre que todas estão “focadas nas várias áreas que uma startup precisa. Uma delas é capacidade de gerar atenção e exposição para que as pessoas saibam o que fazemos e que possamos crescer os nossos negócios”, afirma.

O cheque de dez mil euros já tem um objetivo definido. “É para nos ajudar a crescer, a desenvolver o nosso produto e aumentar as vendas”, refere.

O CEO da Pro-Drone resumiu ainda qual o papel da empresa no mercado da inovação. “A Pro-Drone desenvolveu uma solução chave na mão para a inspeção de pás de turbina eólicas, utilizando drones autónomos e uma plataforma cloud apoiada em inteligência artificial para a geração de relatórios de identificação automática de danos”.

Recomendadas

Trabalhadores da RTP manifestam insatisfação ao Governo e questionam contratações

A carta, subscrita por cinco sindicatos e pela Comissão de Trabalhadores da RTP, salienta que o “Serviço Público de Rádio e Televisão está a ser prestado num ambiente de crescente insatisfação e injustiça entre os trabalhadores, precários e do quadro”.

Comporta vai ser vendida por 158 milhões ao consórcio de Paula Amorim

Venda da Comporta ao consórcio composto pela Vanguard Properties e pela Amorim Luxury tem o valor de 158 milhões e sai ser votado em assembleia geral dia 27 de novembro, revelou fonte ligada ao processo ao Jornal Económico. Leia mais na edição de amanhã.

Siro e Cerealto unem-se e criam Ceralto Siro Foods

O novo grupo tem previsto concentrar os seus recursos e permitirá continuar a ser uma fornecedora especializada da Mercadona.
Comentários