Steve Bannon prepara emissão de criptomoeda para financiar populismo na Europa

O ex-conselheiro de Donald Trump na Casa Branca, anunciou que quer lançar a sua própria criptomoeda para financiar atividades populistas globais. Em vista estão as eleições europeias de maio, onde a extrema-direita quer chegar aos 30%.

A vida de Steve Bannon dava um filme – foi o grande estratega da campanha eleitoral de Donald Trump e esteve por trás de todas as principais decisões da Casa Branca até ter saído repentinamente, há cerca de dez meses. Mas essa foi a sua vida anterior – a nova dava outro filme: desde que saiu da Casa Branca, Bannon tem viajado pelo mundo para espalhar a sua sabedoria pelos palcos do populismo mundial.

Esteve na Europa e não deixou de promover o populismo de extrema-direita por todos os lados por onde andou. E agora decidiu dar mais um passo em frente: quer unir os movimentos populistas da Europa e para isso está a preparar uma emissão de criptomoeda (uma Initial Coin Offering, ICO) que possa financiar essa aliança.

Em maio passado, o ex-braço direito do presidente americano foi a Bruxelas para se encontrar com uma organização política chamada The Movement, cuja intenção é minar as fundações da União Europeia, estabelecendo para isso ligações com outros movimentos-irmãos.

A italiana Liga, do ministro do Interior Matteo Salvini, o Partido Conservador do primeiro-ministro húngaro Viktor Orban e a Frente Nacional, de Marine Le Pen, fazem parte do agregado nacionalista, que quer juntar 30 % dos lugares no Parlamento Europeu nas eleições de maio de 2019.

Raheem Kassam, ex-assessor de Nigel Farage (antigo dirigente do UKIP, o partido britânico de extrema-direita e figura emblemática da Brexit), também envolvido, explicou que “o movimento será a sede do populismo e do nacionalismo na Europa, vamos focar a nossa atenção em indivíduos e grupos de apoio interessados ​​em questões de soberania, controlo de fronteiras e emprego, entre outras coisas”.

A meio de julho, Steve Bannon revelou, em entrevista no canal de televisão norte-americano CNBC, que está a trabalhar para criar uma criptomoeda alternativa ao sistema financeiro (nenhuma autoridade bancária ou ministerial tem controlo sobre as emissões), com a qual possa financiar as atividades do The Movement.

De algum modo, o uso das criptomoedas acaba por tudo a ver com o movimento: um dos principais riscos das moedas alternativas é precisamente o enfraquecimento dos bancos estatais, uma vez que o sistema ultrapassa (pelo menos para já) a própria supervisão. Aliás, todas as autoridades de supervisão na Europa têm vindo a alertar para os riscos tanto do lançamento de ICO, como de participação nas operações por parte de empresas e de pessoas singulares.

O próprio sistema financeiro tradicional tem estado contra as criptomoedas, uma vez que estas acabam por ser um instrumento concorrente às formas tradicionais de financiamento – o que potencialmente pode retirar grandes somas aos cofres dos bancos tradicionais e sustentar uma verdadeira revolução do negócio bancário.

Neste quadro, o uso de uma ICO por parte de um grupo que quer acabar com os fundamentos da sociedade europeia – onde o sistema financeiro tem uma posição absolutamente preponderante – faz todo o sentido ‘ideológico’.

“As criptomoeda são uma forma perturbadora de populismo porque assumem um controlo que é das autoridades centrais”, disse Bannon à CNBC. E continuou: “para mim, é óbvio que, a menos que você controle a sua própria moeda, todos esses movimentos políticos estão sob a alçada dos que controlam a moeda. O controlo da moeda é o controlo tudo”.

Ler mais
Recomendadas

Bolsonaro apoia Trump: “Nós vemos com bons olhos a construção do muro”

Posição foi assumida pelo chefe de Estado brasileiro numa entrevista emitida hoje pelo canal de televisão norte-americana Fox News, no âmbito da visita que Jair Bolsonaro está a realizar, desde domingo, aos Estados Unidos.

Sempre colado ao telemóvel? Esta aplicação impede os ‘zombies’ dos smartphones de serem atropelados

Em 2017, na Coreia do Sul, mais de 1.600 mil pedestres foram mortos em acidentes na estrada, o que representa cerca de 40% do total de mortes no trânsito, segundo dados do Traffic Accident Analysis System. Esta aplicação ajuda os pedestres a estarem mais atentos aos carros.

Estes são os países mais ricos, saudáveis, felizes e seguros do mundo

Noruega, Nova Zelândia e Finlândia lideram o ranking do Índice de Prosperidade Global Anual mas Portugal também ficou (muito) bem classificado. Veja aqui a lista dos países mais prósperos do mundo.
Comentários