Substituir 30% da carne nos hambúrgueres diminuiria poluição no ar equivalente a milhões de carros

O World Resources Institute anunciou que a substituição de 30% da carne utilizada nos hambúrgueres reduziria a emissão de gases de carbono em 10,5 milhões de toneladas.

Ler mais

O World Resources Institute anunciou esta segunda-feira que a substituição de 30% da carne utilizada nos hambúrgueres reduziria a emissão de gases de carbono em 10,5 milhões de toneladas, o que equivale à poluição produzida por 2,3 milhões de carros.

“Se as pessoas comessem mais plantas do que carne, os benefícios em escala seriam exponenciais”, disse Richard Waite, chefe do laboratório de alimentos sustentáveis do World Resources Institute.

Segundo aquele responsável, poderiam ser também economizados vários milhões de litros de água e os campos dedicados à pecuária poderiam ser reduzidos.

O laboratório dirigido por Richard Waite incentiva restaurantes a incluir alimentos feitos inteiramente com plantas no menu, mesmo que seus clientes não sejam vegetarianos.

“Uma solução que redireciona o consumidor de carne para plantas comestíveis pode ter um grande impacto ambiental, embora não seja uma mudança de 100%”, afirmou o especialista.

Uma das principais cadeias de ‘fast-food’ norte-americanas defendeu que adicionar cogumelos à carne de milhões de hambúrgueres vendidos nos Estados Unidos poderia reduzir os gases com efeito estufa.

O novo produto foi bem aceito pelo paladar dos norte-americanos, que anualmente consumem 10 mil milhões de hambúrgueres de carne e, ao mesmo tempo, contribuem para melhorar o meio ambiente.

Relacionadas

Quercus desafia portugueses a ficar 40 dias sem usar plástico descartável

Associação ambiental junta-se a iniciativa europeia para sensibilizar para o problema do plástico.

Happy Meal sem cheeseburger? McDonald’s vai tirar calorias dos menus favoritos das crianças

Marca norte-americana quer estender opções mais saudáveis aos 120 mercados em que opera. Em Portugal, a cadeia de ‘fast food’ afirma que já cumpre com essas boas práticas.
Recomendadas

Consumimos 16 milhões de euros em carapau, mas ainda é pouco

A Docapesca e o Ministério do Mar têm em curso uma campanha de promoção do consumo do carapau, que visa valorizar este recurso natural.

Governo aprova novo projeto de regadio em Mondim de Basto

O projeto de regadio tradicional de Poças do Monte envolve um investimento público de 65 mil euros.

FCT financia novo laboratório de tecnologia agroalimentar

O SMART FARM COLAB – Laboratório Colaborativo para a Inovação Digital na Agricultura, localizado em Torres Vedras, é um dos 20 projetos de investigação aprovados pela FCT.
Comentários