Super Bock Group encerra centro de produção de água no Caramulo

“O Super Bock Group vai ajustar o modelo industrial nas águas lisas, com a descontinuação da atividade no Centro de Produção do Caramulo, no próximo mês de fevereiro. A restante estrutura da organização nas águas engarrafadas permanece inalterada”, lê-se no comunicado divulgado.

O Super Bock Group (antiga Unicer) vai encerrar em fevreiro o centro de produção do Caramulo, onde trabalham 26 pessoas e que se dedicava às águas lisas, anunciou hoje a empresa.

“O Super Bock Group vai ajustar o modelo industrial nas águas lisas, com a descontinuação da atividade no Centro de Produção do Caramulo, no próximo mês de fevereiro. A restante estrutura da organização nas águas engarrafadas permanece inalterada”, lê-se no comunicado divulgado.

A empresa justifica a decisão com “a quebra significativa de volumes ao longo dos anos considerando a baixa procura pela marca nos mercados externos e interno”.

Existe “uma tendência de queda de volumes da marca ao longo desta década – na ordem dos 50% -, encontrando-se a produção atual em cerca de um terço da capacidade total desta unidade”, adiantou o grupo.

O Super Bock Group revelou ainda que já informou os 26 funcionários que trabalham neste centro de produção e concedeu a todos “a possibilidade de transferência para uma outra unidade do grupo”, garantindo que serão encetados “todos os esforços no sentido de assegurar esta mobilidade”.

Para os que optarem pela rescisão, salienta o grupo, “o Programa Social de Apoio inclui condições acima do quadro legal, contemplando ainda um plano de ‘outplacement’, com iniciativas à reintegração profissional; a identificação de oportunidades de emprego; formação focada na empregabilidade; e formação para apoio à criação de negócio próprio”.

O Super Bock Group realçou ainda que esta decisão “não representa qualquer alteração na estratégia de negócio do grupo”, com as águas engarrafadas a manterem-se “um negócio prioritário”, que será assegurado pela restante estrutura da empresa.

“Assim, os volumes de águas lisas passarão a ser assegurados através da capacidade instalada nas unidades de Envendos e Castelo de Vide”, de acordo com o comunicado.

Ler mais
Recomendadas

Quem paga a conta dos serviços gratuitos?

As transferências imediatas de pequenos montantes gratuitas representam mais custos e menos receita para os bancos, que não querem ficar com os custos de um serviço de uma marca que não é deles.

Uma Faixa, uma Rota, uma oportunidade, uma ameaça

A “Nova Rota da Seda” já conta com 129 países, incluindo Portugal. Ainda não sabemos ao certo que infraestruturas serão desenvolvidas, além da rede 5G da Huawei em parceria com a Altice, mas importa estarmos atentos.

Lucros da Sonae disparam 33,7% em 2018

O grupo evidencia uma forte melhoria da rentabilidade, num ano em que todos os negócios cresceram, quer organicamente, quer por via de aquisições.
Comentários