“Sustentar” já está na estrada: primeira paragem Mértola

Era uma vez uma exposição que, unindo a fotografia e o vídeo à sustentabilidade, partiu em itinerância nacional. “Sustentar” já chegou a Mértola e por aí vai ficar até 29 de agosto.

© Evgenia Emets, Arte de Sombrear o Sol, 2020

As alterações climáticas são uma realidade e raros serão os cidadãos contemporâneos que não se mostram preocupados com os desafios que as mesmas colocam. Mas como compreender o que se está a passar e contribuir de modo esclarecido para a sua mitigação?

A 1ª edição da “Sustentar” conta com organização e produção da Plataforma Ci.CLO, e coloca em diálogo seis artistas com seis iniciativas que foram ou estão a ser implementadas em Portugal: Transição agroecológica (Câmara Municipal de Mértola), POCITYF (Câmara Municipal de Évora), Setúbal Preserva bairros do Grito do Povo e dos Pescadores (Câmara Municipal de Setúbal), LIFE Montado-Adapt (EDIA), Geoparque Algarvensis Loulé-Silves-Albufeira (Câmara Municipal de Loulé) e Núcleo Museológico do Sal (Câmara Municipal da Figueira da Foz).

Das residências artísticas que tiveram lugar nos vários territórios, feitas de encontros e de olhares atentos aos reptos sociais e ecológicos, resultaram os trabalhos agora em itinerância. Na sua primeira paragem, Mértola, dois espaços acolhem as visões dos artistas convidados a participar no “Sustentar”.

Evgenia Emets apresenta o filme Arte de Sombrear o Sol na Casa das Artes Mário Elias, onde aborda as “alterações climáticas, a transição agroecológica e a agricultura sintrópica em Mértola como uma possibilidade de adaptação ao cenário de severa escassez de água”. O filme passa-se em 2121 e dá-nos a perspetiva do planeta Terra.

 

© Elisa Azevedo, Em Plena Luz

Galeria do Castelo é o outro epicentro da 1ª edição do “Sustentar” em Mértola. É aqui que se encontram os trabalhos de Elisa Azevedo, Em Plena Luz, que explora a “integração de sistemas inovadores de captação de luz solar” para tornar a zona histórica de Évora autossustentável do ponto de vista energético; de Margarida Reis Pereira, Hoje, Translúcido, que estabeleceu diálogos e pontes com as comunidades dos bairros do Grito do Povo e dos Pescadores, através de estratégias visuais, com vista a representar as suas memórias e identidade; e de Maria Oliveira, De Vagar o Mar, que viaja ao mundo antigo num túnel do tempo rasgado nas salinas da Figueira da Foz.

 

© Maria Oliveira, De vagar o mar

Os encontros na Galeria prosseguem com Nuno Barroso e o “seu” Geoparque. “Nele está contida uma história da Terra e a história de um território singular – o Algarve. Há a beira-mar, o barrocal e a serra. Todos interligados horizontalmente numa série de camadas sobrepostas”. Sam Mountford, em O Leito do Rio, centra-se nas dimensões culturais, sociais e ecológicas dos Montados ibéricos, assim como na resiliência deste território face às consequências das alterações climáticas.

Os trabalhos têm curadoria de Krzysztof Candrowicz, Pablo Berástegui e Virgílio Ferreira. No itinerário da exposição estão ainda os municípios parceiros da 1ª edição do projeto “Sustentar”, como a aldeia da Luz, Évora, Figueira da Foz, Loulé e Setúbal.

Recomendadas

Um enoturismo em plena comunhão com a Natureza

A partir do dia 22 deste mês e com o mote “um outro vagar”, a Quinta da Fonte Souto, em Portalegre, passará a integrar várias experiências, como visitas guiadas, provas de vinhos, passeios, petiscos e piqueniques.

Um jantar especial para os adoradores de Baco

O Ristorante La Squadra realiza no dia 22, na Praça da Figueira, o seu evento “Jantar das Magnum”, especialmente dirigido aos apreciadores de bons vinhos.

Novo bar no Estoril, mesmo junto ao mar

O Liquid Lounge bar fica num terraço com uma localização privilegiada, na falésia. Ali se podem provar deliciosos cocktails de autor e produtos genuínos, vindos diretamente de Itália.
Comentários