TACV: Trabalhadores chegam a acordo com a Administração sobre as indeminizações

A companhia aérea cabo-verdiana aceitou pagar dois meses e meio, por cada ano de serviço, aos funcionários que trabalham na empresa antes de 1994. Os que entraram depois terão direito a 38 dias por ano. A TACV quer cortar 207 trabalhadores e ficar com apenas 224 funcionários.

Ler mais

A Comissão de Trabalhadores dos TACV e o Sindicato de Transportes, Telecomunicações, Hotelaria e Turismo (SITTHUR) chegaram a um entendimento com o Conselho de Administração quanto ao valor a pagar pelas indeminizações, no âmbito do processo de reestruturação da transportadora área cabo-verdiana.

Segundo apurou o Económico Cabo Verde, depois de várias rondas de negociação a administração da companhia acabou por ceder, numa reunião ocorrida ao final da tarde desta terça-feira, 10, na Praia. A empresa assumiu o compromisso de pagar dois meses e meio por cada ano de serviço aos funcionários que trabalham na empresa antes de 1994. E prometeu pagar 38 dias por ano aos trabalhadores que entraram depois de 1994.

A rescisão de contrato será por “Mutuo Acordo”, mas segundo a Comissão de Trabalhadores, esta não é vinculativa. Ou seja, se algum funcionário não quiser aceitar a sua saída da empresa poderá recorrer aos tribunais, pois ainda existe a modalidade de desvinculação da empresa por despedimento sem justa causa, na qual a lei prevê o pagamento de 4 meses por cada ano, para os que entraram antes de 1994, e 20 dias para os que entraram depois desta data.

O acordo, alcançado no final da noite de terça-feira, 10, será validado nos próximos dias pelo Ministro das Finanças e Vice-primeiro-ministro, Olavo Correia, para depois ser celebrado o contrato de rescisão, a ser assinado entre a TACV e os trabalhadores.

No âmbito do processo de reestruturação, a empresa já fez saber à Comissão de Trabalhadores dos TACV e ao Sitthur que prevê ficar com 224 trabalhadores, para despedir 207. Existem ainda 100 trabalhadores que já começaram a ir para casa com o sistema de pré-reforma.

Por resolver ficou a questão da atribuição das facilidades de transporte, que o Sitthur já fez saber que irá levar aos tribunais. O Conselho de Administração não cedeu neste ponto, alegando que não tem como passar esta responsabilidade à nova administração que vier assumir TACV. Justificações que o sindicado diz não aceitar, já que em anos anteriores todos os trabalhadores que rescindiram contrato por mútuo acordo continuam a usufruir de facilidades nas viagens, ou seja, sem pagar passagens aéreas.

A TACV está em fase de reestruturação para ser privatizada e a sua gestão foi entregue ao Grupo Icelandair, da Islândia, mediante de contrato de um ano – termina em Agosto – no valor de aproximado de um milhão de euros convertidos em participação social aquando da privatização, segundo o vice-primeiro ministro, Olavo Correia, que lidera o processo.

Relacionadas

TACV. Trabalhadores manifestam-se esta quinta-feira com ameaça de greve geral

Os trabalhadores da TACV vão manifestar-se esta quinta-feira, 15, em frente à sede da empresa. Se a administração não ceder às suas reivindicações ameaçam convocar uma greve geral. O ministro do Turismo e Transportes e ministro da Economia Marítima já reagiu considerando que seria “infeliz” haver protestos quando se está à procura de “melhores soluções possíveis” para a companhia.

Eduíno Moniz: “A TACV foi entregue a uma gestão que preocupa a nossa independência”

Ex-administrador e comandante de Boeing disse hoje, 13, em sede da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre a TACV, que os sucessivos governos são responsáveis pela situação a que chegou a companhia aérea de bandeira. E perspectiva um mau augúrio para a Icelandair, grupo islandês que gere a transportadora aérea cabo-verdiana desde Outubro passado.

Ex-PCA. “A minha dúvida é se há algo para ser privatizado na TACV”

Antigo presidente do Conselho de Administração da TACV, António Neves, diz não confiar nas pessoas que foram chamadas para formatar o novo negócio da companhia aérea cabo-verdiana, referindo-se a “um conjunto de pessoas que faz opinião” a nível do Governo sobre a situação da TACV.

TACV reforça voos entre Lisboa e o mercado brasileiro

Os voos serão operados com Boeing B757 com 160 lugares em económica e 22 lugares Comfort Class.

TACV renova certificado de segurança operacional

A TACV renovou o certificado de Auditoria de Segurança Operacional da IATA (IOSA), documento que garante o alto padrão de segurança operacional e de reconhecimento internacional.. 

Agentes de viagens “agastados” com sistema de ligação aérea inter-ilhas

Presidente da Associação das Agências de Viagens e Turismo (AAVT), Maria Teresa Graça, está inconformada com as tarifas de viagens aéreas que vêm sendo praticadas pela Binter CV, a operadora que desde o ano passado assume sozinha os voos inter-ilhas no arquipélago cabo-verdiano, após a saída da companhia pública, TACV, do mercado doméstico.
Recomendadas

Armador PCI implementa nova rota comercial em Cabo Verde

A PCI operará um navio com capacidade de transporte de 887 Teus nominais, com uma frequência de 14 dias, realizando ligações entre Algeciras e Tanger Med com destino a Cabo Verde, em 4 dias.

Cabo Verde está entre os três únicos países de África com melhoria na governança

O Relatório do Banco Mundial aponta que Cabo Verde está entre os três únicos países de África com melhoria na governança.

Governo confirma Icelandair como parceira na privatização da Cabo Verde Airlines

As duas partes vão agora iniciar negociações para a aquisição de até 51 por cento do capital da companhia aérea cabo-verdiana.
Comentários