Tarifas da luz vão baixar 3,5% a partir de janeiro para as famílias

Em média, esta redução representa para as famílias portuguesas que estão em mercado regulado uma poupança média de 1,5 euros por mês.

O Governo anunciou à Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) um reforço de dois terços da receita da Contribuição Extraordinária do Setor Energética (CESE) para o sistema elétrico, o que vai permitir que as tarifas baixem 3,5% em janeiro para as famílias. Em média, esta redução representa para as famílias portuguesas uma poupança média de 1,5 euros por mês, avança o semanário “Expresso”.

Num despacho enviado pelo Governo à ERSE, a 30 de novembro, o Governo aprovou a transferência de mais 189 milhões de euros para o setor elétrico, o que vai permitir uma redução das tarifas cobradas às famílias. O “Expresso” noticia ainda que há um documento da ERSE que prevê que as tarifas afinal “baixem 3,5% em janeiro para as famílias em Portugal continental”.

Nas regiões autónomas da Madeira e dos Açores a descida será de 0,6%. O regulador tem até 15 de dezembro para divulgar as tarifas para o próximo ano. Em meados de outubro, a ERSE previa um aumento de 0,1% para os consumidores domésticos a partir janeiro de 2019. Este ano, ter-se-á registado a primeira descida desde 2000 nas tarifas, com um recuo de 0,2% face ao ano anterior.

 

 

 

Ler mais
Recomendadas

“Vamos assistir à terceirização do e-commerce”, afirma presidente da ACEPI

O presidente da ACEPI, Alexandre Nilo Fonseca, considera que o ramo alimentar, “que até agora tem estado um bocadinho afastado do digital”, vai assistir a uma evolução no comércio ‘online’.

VAR provoca perdas de milhares de euros

Portugal está a adaptar-se ao VAR e se dentro do campo ainda reina a polémica, fora das quatro linhas, entre quem aposta, o cenário não muda. A ‘escaldante’ final four da Taça da Liga resultou em perdas de milhares de euros.

União Europeia facilita compras digitais mas Portugal falha prazo

“A Comissão está a acompanhar de perto a situação e em breve decidiremos as próximas medidas para garantir que todos os Estados-membros cumprem as suas obrigações”, diz Nathalie Vandystadt, porta-voz de Bruxelas.
Comentários