Tarifas da luz vão baixar 3,5% a partir de janeiro para as famílias

Em média, esta redução representa para as famílias portuguesas que estão em mercado regulado uma poupança média de 1,5 euros por mês.

O Governo anunciou à Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) um reforço de dois terços da receita da Contribuição Extraordinária do Setor Energética (CESE) para o sistema elétrico, o que vai permitir que as tarifas baixem 3,5% em janeiro para as famílias. Em média, esta redução representa para as famílias portuguesas uma poupança média de 1,5 euros por mês, avança o semanário “Expresso”.

Num despacho enviado pelo Governo à ERSE, a 30 de novembro, o Governo aprovou a transferência de mais 189 milhões de euros para o setor elétrico, o que vai permitir uma redução das tarifas cobradas às famílias. O “Expresso” noticia ainda que há um documento da ERSE que prevê que as tarifas afinal “baixem 3,5% em janeiro para as famílias em Portugal continental”.

Nas regiões autónomas da Madeira e dos Açores a descida será de 0,6%. O regulador tem até 15 de dezembro para divulgar as tarifas para o próximo ano. Em meados de outubro, a ERSE previa um aumento de 0,1% para os consumidores domésticos a partir janeiro de 2019. Este ano, ter-se-á registado a primeira descida desde 2000 nas tarifas, com um recuo de 0,2% face ao ano anterior.

 

 

 

Ler mais
Recomendadas

Agência Espacial: Portugal pretende multiplicar negócios por dez até 2030

Acabada de criar, a Agência Espacial Portuguesa é vista pelo ministro da Ciência, Manuel Heitor, como a força capaz de criar mil empregos e gerar uma faturação de 400 milhões de euros até ao fim da próxima década.

Conclusões de Tancos vão ditar futuro da PJ Militar

Alegado envolvimento e comprometimento da investigação a Tancos pela PJ Militar desagrada a todos os partidos. Deputados aguardam encerramento da comissão de inquérito para proporem mudanças. Existência dessa entidade pode ser reconsiderada.

Economistas destacam otimismo do Governo para 2019 e pouca ambição na reforma do Estado

O Governo apresentou em 15 de abril o Programa de Estabilidade 2019-2023, o último da atual legislatura, no qual reviu em baixa o crescimento económico para este ano, prevendo uma expansão de 1,9%, um decréscimo de 0,3 pontos percentuais face aos 2,2% inscritos no Orçamento do Estado, mas que supera as previsões dos restantes organismos.
Comentários