Taxa de desemprego fixou-se em 7,5% em outubro

O gabinete estatístico indica que, em outubro, a taxa de desemprego dos jovens foi estimada em 23,9%, correspondendo a um decréscimo de 0,4 pontos percentuais relativamente à taxa de setembro de 2020. A taxa de desemprego nos adultos foi estimada em 6,4%, tendo diminuído 0,4 pontos percentuais face a setembro.

A taxa de desemprego fixou-se nos 7,5% em outubro, menos 0,4 pontos percentuais do que em setembro, segundo a estimativa provisória mensal relativa ao emprego e desemprego, divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), esta segunda-feira, 30 de novembro.

Comparativamente ao período homólogo, a taxa de emprego de outubro foi superior em 1,0 pontos percentuais.

O gabinete estatístico indica que, em outubro, a taxa de desemprego dos jovens foi estimada em 23,9%, correspondendo a um decréscimo de 0,4 pontos percentuais relativamente à taxa de setembro de 2020. Já a taxa de desemprego nos adultos foi estimada em 6,4%, tendo diminuído 0,4 pontos percentuais face a setembro.

O INE estima que no mês de outubro a população ativa se situou em 5.153,0 mil pessoas, “tendo diminuído 0,1% (3,4 mil) em relação ao mês anterior e aumentado 1,1% (55,7 mil) relativamente a três meses antes”. “Por comparação com um ano antes, a população ativa diminuiu 1% (50,6 mil)”, aponta o gabinete estatístico nacional.

Já a estimativa da população empregada, que correspondeu a 4.765,2 mil pessoas, registou um acréscimo de 0,3% (15,8 mil) face a setembro e de 1,5% (71,7 mil) relativamente a três meses antes, “tendo diminuído 2,1% (101,2 mil) por comparação com um ano antes”, sustentam os dados do INE. Assim, a taxa de emprego situou-se em 61,2%, um valor superior em 0,2 pontos percentuais ao de setembro e em 0,9 pontos percentuais ao de julho, sendo inferior em 1,5 pontos percentuais ao mês de outubro de 2019.

De acordo com os dados do INE, a estimativa provisória da população inativa fixou-se em 2.631,4 mil pessoas, tendo aumentado 0,2% (6,2 mil) face ao mês anterior e 2,8% (70,4 mil) por comparação com o ano anterior e diminuído 2% (53,1 mil) relativamente a julho do presente ano. Por sua vez, a taxa de inatividade situou-se em 33,8%, valor superior em 0,1 pontos percentuais ao de setembro e 0,8 pontos percentuais ao de outubro de 2019.

Assim, os dados apontam que a estimativa provisória da subutilização do trabalho – indicador que inclui a população desempregada, o subemprego de trabalhadores a tempo parcial, os inativos à procura de emprego mas não disponíveis para trabalhar e os inativos disponíveis mas que não procuram emprego – fixou-se em 811,2 mil pessoas, correspondendo a uma diminuição de 2,1%, ou de 17,7 mil pessoas, face ao mês de setembro, e de 3%, ou de 25,1 mil pessoas, relativamente a julho, verificando-se um aumento de 20,4%, ou 137,5 mil pessoas, face a outubro do ano passado.

Num acerto, o INE revela que a taxa de desemprego se situou em 7,9% no mês de setembro, face à estimativa inicial de 7,7%. Assim, a taxa diminuiu 0,2 pontos percentuais em relação ao mês de agosto e aumentou 1,4 pontos percentuais em comparação com o mês homólogo de 2019.

Ainda em relação ao mês de setembro, os dados do gabinete de estatísticas nacionais mostram que a população empregada aumentou 0,7% face a agosto e 1,7% em relação a junho de 2020, tendo apresentado uma diminuição de 2,5% quando comparada com setembro de 2019. Já a população desempregada diminuiu 1,7% em relação a agosto e aumentou 9,9% relativamente a três meses antes, tendo registado ainda um aumento de 19,5% em comparação com setembro de 2019. Por sua vez, a taxa de subutilização de trabalho fixou-se em 15,4%, menos 0,1 pontos percentuais do que no mês de agosto e que há três meses, e mais 2,7 pontos percentuais do que em setembro do ano passado.

Ler mais

Recomendadas

Governo espera 40 mil candidaturas ao novo concurso do Apoiar.pt

O Executivo abriu hoje um novo concurso, no âmbito do programa Apoiar.pt, destinado a compensar as perdas verificadas no quarto trimestre de 2020, com condições similares às do anterior.

Governo já pagou 268 milhões de euros às empresas através do programa Apoiar.pt

“Temos, no acumulado da primeira e da segunda tranche, cerca de 268 milhões de euros pagos”, afirmou João Neves.

Japão mantém expectativa de regresso a excedentes orçamentais no longo prazo

O Japão detém a maior dívida pública em função do PIB do mundo, com 223%, uma situação que coloca o país particularmente pressionado e vulnerável à incerteza causada pela pandemia de Covid-19.
Comentários