Taxa de juro implícita do crédito à habitação aumentou em julho para máximo de quase dois anos

A prestação média vencida (soma do valor médio do capital amortizado com o valor médio de juros vencidos) aumentou um euro, para 242 euros, segundo os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística.

A taxa de juro implícita nos contratos de crédito à habitação aumentou 0,6 pontos de base (0,006 pontos percentuais) em julho, face a junho, para 1,038%, o valor mais elevado desde outubro de 2016, segundo os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quarta-feira, 22 de agosto.

Este indicador inclui contratos para construção, aquisição e reabilitação de habitações.

“Para o destino de financiamento aquisição de habitação, o mais relevante no conjunto do crédito à habitação, a taxa de juro implícita para o total dos contratos foi 1,060%, mais 0,6 pontos de base do que o registado no mês anterior”, refere o INE.

A taxa implícita nos contratos feitos nos três meses terminados em junho – menos volátil – aumentou, passando de 1,427% para 1,471%, registando a primeira subida desde fevereiro.

A prestação média vencida (soma do valor médio do capital amortizado com o valor médio de juros vencidos), em junho, aumentou um euro, para 242 euros. “Deste valor, 45 euros (19%) correspondem a pagamento de juros e 197 euros (81%) a capital amortizado“, explica o INE.

O capital médio em dívida para a totalidade dos contratos aumentou 108 euros face ao mês anterior, para 52.016 euros. Para os contratos celebrados nos últimos três meses (até junho), o montante médio do capital em dívida subiu 897 euros, para 97.758 euros.

Ler mais
Recomendadas

Governo cria grupo de trabalho para preparar Web Summit até 2028

O ‘Grupo de Trabalho Web Summit Portugal 2019-2028’ vai entrar em vigor já este ano, com o objetivo de “assegurar a organização e a coordenação da Web Summit, em cada ano do período de 2019 a 2028”.

Governo envia hoje para o Parlamento e Bruxelas esboço do Orçamento do Estado para 2020

Documento segue primeiro para a Assembleia da República e depois para a Representação Permanente de Portugal junto da União Europeia, que reencaminha para Bruxelas.

Marca Portugal vale mais de 190 mil milhões de euros, diz consultora

Num ranking de cem países, elaborado pela Brand Finance, a marca Portugal surge na posição 48, à frente de países como Egito, Peru, Hungria, Eslováquia, Luxemburgo e Grécia. Contudo, países como Roménia, África do Sul, Nova Zelândia, Cazaquistão, Irão, Vietname ou Qatar surgem à frente de Portugal.
Comentários