Taxas Euribor caem para novos mínimos a três e 12 meses e sobem a seis meses

As taxas Euribor desceram esta quarta-feira para novos mínimos de sempre a três e a 12 meses e subiram a seis meses em relação a terça-feira.

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, avançou hoje para -0,5050%, mais 0,002 pontos, contra o atual mínimo de sempre, de -0,507%, verificado em 27 de outubro.

Em 23 de abril, a Euribor a seis meses subiu para -0,114%, atual máximo desde pelo menos janeiro de 2015.

Em sentido inverso, a Euribor a três meses desceu hoje para um novo mínimo de sempre, ao ser fixada em -0,512%, menos 0,002 pontos que na terça-feira.

Em 23 de abril, a Euribor a três meses subiu para -0,161%, um máximo desde pelo menos janeiro de 2015.

No prazo de 12 meses, a taxa Euribor também caiu hoje para um novo mínimo, ao ser fixada em -0,475%, menos 0,010 pontos.

A Euribor a 12 meses subiu para o máximo desde, pelo menos, janeiro de 2015, de -0,053%, em 22 de abril.

A evolução das taxas de juro Euribor está intimamente ligada às subidas ou descidas das taxas de juro diretoras do Banco Central Europeu (BCE).

As taxas Euribor a três, a seis e a 12 meses entraram em terreno negativo em 2015, em 21 de abril, 06 de novembro e 05 de fevereiro, respetivamente.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

Ler mais
Recomendadas

Visitas ao site do JE disparam em novembro, com subida de 33% para 5,8 milhões

O número de utilizadores do site do Jornal Económico aumentou 30% em novembro, face a outubro, para um total de 2,7 milhões. Acessos móveis representaram 79% do total. Plataforma multimédia JE TV tem cada vez mais telespectadores. Obrigado pela sua preferência!

OCDE diz que economia mundial vai contrair 4,2% em 2020, recuperando 4,2% e 3,7% nos anos seguintes

China vai concentrar um terço do crescimento mundial em 2021 e é a única das principais economias a terminar 2020 com nota positiva. Zona euro sofre uma quebra de 7,5% este ano, e nos seguintes terá, tal como os Estados Unidos, “um contributo menor do que o seu peso na economia mundial” no que toca à recuperação.

OCDE prevê que economia portuguesa cresça apenas 1,7% em 2021 e 1,9% em 2022

“Economic Outlook” prevê recuperação mais lenta da economia nacional do que a prevista pelo Governo e um pico do desemprego no próximo ano. Mas revê em baixa a quebra do PIB em 2020, apontando para 8,4%.
Comentários