Taxas Euribor sobem a três meses e caem a seis, nove e 12 meses

As taxas Euribor subiram hoje a três meses e desceram 0,001 pontos a seis, nove e 12 meses em relação a segunda-feira.

A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de abril de 2015, subiu hoje para -0,317%, mais 0,001 pontos e contra o atual mínimo de sempre, de -0,332%, registado pela primeira vez em 10 de abril de 2017.

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno negativo pela primeira vez em 06 de novembro de 2015, desceu hoje para -0,258%, menos 0,001 pontos do que na segunda-feira e contra o atual mínimo de sempre, de -0,279%, registado pela primeira vez em 31 de janeiro de 2018.

A nove meses, a Euribor também recuou hoje para -0,197%, menos 0,001 pontos e contra o atual mínimo de sempre de -0,224%, registado pela primeira vez em 27 de outubro de 2017.

No prazo de 12 meses, a taxa Euribor, que desceu para valores abaixo de zero pela primeira vez em 05 de fevereiro de 2015, caiu hoje para -0,149%, também menos 0,001 pontos do que na véspera e contra o atual mínimo de sempre, de -0,194%, atingido pela primeira vez em 18 de dezembro de 2017.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

Recomendadas

OE2019: Proença diz que exclusão do futebol da redução de IVA é inexplicável

Em declarações enviadas por escrito à agência Lusa, Proença referiu-se à proposta de redução do imposto de valor acrescentado (IVA) de 13% para 6% em touradas, por parte do Partido Socialista, recordando uma audiência com o grupo parlamentar do PS em 31 de julho.

Diretiva dos Serviços de Pagamentos revista transposta para o ordenamento jurídico nacional. Saiba o que muda

O novo regime tem impacto na forma como os prestadores de serviços de pagamento disponibilizam os seus serviços, mas também no modo como particulares, empresas e Administração Pública efetuam pagamentos.

Autoeuropa tem oito mil carros para entregar e terá de recorrer a Leixões e portos espanhóis

De acordo com a empresa, trata-se de uma solução temporária, que permite minimizar os atrasos mas que não resolve o problema, porque não dá resposta às necessidades de escoamento da produção da fábrica de Palmela.
Comentários