Táxis: Ao quinto dia, taxistas prometem manter protesto até à suspensão da lei

“Esta lei não interessa e nós não vamos permitir que a indústria [dos táxis] fique nesta situação”, disse à Lusa Florêncio Almeida, dirigente da Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros de Passageiros (ANTRAL), especificando que só querem “derrubar” a lei, bastando para isso a sua suspensã

Miguel A. Lopes/Lusa

Os taxistas mantêm-se hoje pelo quinto dia em protesto e prometem continuar até que a lei das plataformas de transporte seja suspensa, prevendo abandonar os locais onde estão parados apenas na segunda-feira para uma vigília na Praça do Comércio.

“Não é a revogação, antes derrubá-la. Basta suspendê-la, até que se arranje uma solução para este problema”, acrescentou.
Inicialmente, os representantes dos taxistas exigiam que os partidos fizessem, junto do Tribunal Constitucional, um pedido de fiscalização sucessiva da constitucionalidade do diploma, uma exigência que não foi acolhida pelos grupos parlamentares.

Na sexta-feira, o processo teve um desenvolvimento, com o PCP a pedir a revogação da lei, uma decisão que os taxistas consideram estar no “caminho correto”, mas que ainda não é suficiente.

No quinto dia de protesto contra a entrada em vigor da lei que regula as plataformas eletrónicas de transporte de passageiros, 2.500 taxistas continuam parados em Lisboa, Porto e Faro, disse Florêncio Almeida.

No sábado, José Domingos, membro da direção da ANTRAL, disse à Lusa ter informação de que alguns taxistas das zonas de Coimbra, Aveiro e Viseu se iriam juntar hoje ao protesto nas cidades onde decorre a paralisação.

Esta informação foi hoje corroborada por Florêncio Almeida, que afirmou: “Vêm juntar-se a nós, como sinal de solidariedade. Estão a caminho alguns táxis”.

Firmes na paralisação junto aos táxis, que em Lisboa estão estacionados desde os Restauradores até ao Campo Pequeno, os taxistas só admitem abandonar os seus postos, na segunda-feira, às 15:00, para uma vigília na Praça do Comércio, junto à residência oficial provisória do primeiro-ministro (enquanto decorrem obras em São Bento).

“Entendemos que só o primeiro-ministro pode desbloquear esta situação. Nós não queremos ser recebidos pelo ministro ou pelo secretário de Estado, não nos merecem qualquer credibilidade”, afirmou Florêncio Almeida.

/

Ler mais
Relacionadas

Taxistas abertos ao diálogo se a lei incluir definição de contingentes de carros

Os motoristas de táxi estão dispostos a pôr fim aos protestos que duram há três dias se a lei passar a contemplar a fixação, pelos municípios, do contingente de carros para aluguer de passageiros, disse um dirigente associativo.

João Matos Fernandes: “Governo cumpriu rigorosamente acordo com setor do táxi”

O ministro Ambiente, João Matos Fernandes, disse este sábado que o Governo cumpriu “rigorosamente” o acordo que assinou com a duas associações que representam os taxistas para a modernização do setor.

“#somos táxis”: a manifestação em imagens

Veja as imagens da manifestação em Lisboa, Porto e Faro contra a entrada em vigor da legislação sobre as plataformas que agregam motoristas em carros descaracterizados é o quarto grande protesto de taxistas nos últimos três anos.
Recomendadas

CTT respondem à Anacom rejeitando que tenham prestado “informação enganosa” sobre a evolução das reclamações

Os CTT e a Anacom estão em guerra de comunicados. Em resposta à resposta da Anacom, os CTT divulgaram hoje um comunicado onde reafirmam que a variação do total de reclamações e pedidos de informação tal como referido no comunicado do passado dia 13, caíram 7%, correspondendo a um aumento de 9% das reclamações em sentido estrito. “As solicitações dos clientes dos CTT compreendem pedidos de informação e reclamações em sentido estrito”, diz a empresa.

Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

O regulador acusa a empresa de ter divulgado informação enganosa ao ter dito que as queixas baixaram 7%.

BCE exige à CGD para 2019 o mesmo rácio de capital que tinha exigido no ano passado

“O requisito de Pilar 2 para a CGD em 2019 é de 2,25%, o que representa uma manutenção face a 2018”, diz a Caixa. Recorde-se que os requisitos de Pilar 2, são os específicos das instituições e confidenciais. “Considerando os rácios da CGD em 31 de dezembro de 2018, são já cumpridos, com uma significativa margem, todos os novos rácios mínimos exigidos em matéria de CET1 (Common Equity Tier 1), Tier 1 e Rácio Total”, diz a CGD.
Comentários