Taxistas poderão suspender licenças por um ano

A suspensão da licença é relevante para os taxistas que estejam numa situação de crise ou de redução de clientes.

Os taxistas vão poder – se quiserem – requerer às câmaras municipais a suspensão de atividade por períodos de um ano, de acordo com o decreto-lei publicado esta sexta-feira em Diário da República. Esta norma permitirá que os taxistas mantenham as respetivas licenças, mas, ao longo desse período poderão exercer outra atividade, concretamente, transporte com a viatura descaracterizada.

Esta possibilidade será importante, sobretudo, em situações de crise ou redução de clientes, por permitir que os taxistas atuem noutras condições.

Com esta nova norma, os taxistas poderão enfrentar períodos de crise ou de redução de clientes noutras condições, sendo que para requerer a suspensão de atividade bastará uma comunicação prévia à autarquia. A retoma da atividade, cessado o ano de suspensão, só terá de ser comunicada à autarquia responsável.

As autarquias, contudo, poderão não aceitar a suspensão num espaço de 10 dias úteis, no caso de terem fixado um contingente inferior a sete táxis por concelho.

Caso passem 365 dias consecutivos desde a emissão do último recibo ou no caso de o taxímetro do veículo não tenha registos de deslocações durante um ano, este decreto-lei prevê a presunção do abandono da atividade, determinando a caducidade do direito à licença do táxi.

No mesmo decreto-lei n.º 3/2019, consagra-se outra alteração que permite a instalação do taxímetro no espelho retrovisor das viaturas, “não podendo ser sujeitos a controlo metrológico legal os que não respeitem esta condição”.

 

 

 

 

Ler mais
Relacionadas

Taxify, Cabify e Chauffeur Privé com licença para atividade de transporte de passageiros

Os operadores de plataformas eletrónicas Chauffeur Privé, Taxify e Cabify já receberem as licenças para a atividade de transporte, encontrando-se o pedido da Uber em análise, avançou à Lusa o Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT).

PremiumCEO da mytaxi: “Taxistas fazem trabalho fantástico, mas estão mal representados”

CEO da mytaxi esteve em Lisboa para lançar a nova marca de trotinetes elétricas da empresa alemã e aproveitou para falar sobre o seu core business. “Se não consigo ser competitivo, não posso concorrer”, diz ao Jornal Económico.

Associação de taxistas admite estar a formar motoristas de plataformas como Uber e Cabify

A Federação Portuguesa do Táxi acusou esta sexta-feira uma entidade formadora pertencente à ANTRAL de estar a promover cursos para motoristas das plataformas eletrónicas, o que a associação confirmou e “não considera estranho”.
Recomendadas

Governo avança com lei que permite aos bancos contabilizar como custo fiscal as novas imparidades

“A presente alteração visa sanar a divergência entre os sistemas contabilísticos e fiscais no que respeita ao tratamento de perdas por imparidades associadas a operações de crédito. Prevêem-se ainda regras disciplinadoras para as perdas por imparidade registadas nos períodos de tributação com início anterior a 1 de janeiro de 2019, e ainda não aceites fiscalmente”, diz o último comunicado do Conselho de Ministros

BPI vence Prémio Cinco Estrelas na categoria de Banca Digital

O BPI é líder na penetração do homebanking, com quase metade dos seus clientes particulares a serem utilizadores deste canal. O mesmo acontece no caso dos clientes empresariais, em que 84,5% usam os canais digitais do Banco. Isto segundo o estudo BASEF Banca relativo ao período de fevereiro a agosto de 2018.

Fever vai investir cinco milhões em co-organização de eventos em Portugal

A ronda de financiamento contou também com a participação dos já investidores Accel Partners e 14W Ventures, além da Portugal Ventures e da Caixa Capital.
Comentários