Tecnológicas pressionam Wall Street. Empresa de software parceira de Trump vê títulos dispararem mais de 1000%

Num dia marcado pela queda de 10% da Intel e de 20% da empresa mãe do Snapchat, a gigante de software que colaborou na campanha eleitoral de Donald Trump, em 2020, vê as suas ações a dispararem mais de 1000% depois das notícias de que a Phunware irá colaborar na criação da rede social de Trump, ‘Truth’.

A praça de negociações em Wall Street abriu a última sessão da semana em terreno misto graças à pressão exercida pelas gigantes tecnológicas. Esta sexta-feira, a Intel ter alertou para a redução das suas margens de lucro e a Snap Inc. anunciou que está a ser prejudicada pelas alterações na política de privacidade da Apple.

Assim, as únicas praças que contrariam a tendência é o industrial Dow Jones (0,41% para  35,749.55 pontos) e o S&P 500 (0,10% para 4,554.20 pontos), enquanto que a o Nasdaq Composite tomba 0,35% para 15,162.8 pontos e o Nasdaq 100 derrapa 0,45% para 15,408.50 pontos.

O Snap Inc está a cair mais de 22% para 58,08 dólares depois da empresa-mãe da rede social ter divulgado que as vendas do terceiro trimestre tinham crescido de 28% a 32% em relação ao ano anterior, abaixo da estimativa dos analistas, que previam um crescimento de 48%. De acordo como diretor de negócios Jeremi Gorman, a causa deste tombo foi a crise global provocada pelos constrangimentos nas matérias primas, o que fez diminuir o investimento dos anunciantes.

A empresa de comunicação social relatou lucros ajustados de 17 cêntimos por ação sobre receitas de 1,07 mil milhões de dólares. Entretanto, os mercados esperavam lucros ajustados de 8 cêntimos por ação, com um rendimento de 1,1 mil milhões de dólares. A perda líquida da Snap diminuiu 64% para 72 milhões de dólares, de uma perda de 200 milhões de dólares há um ano. Contudo, a empresa do trimestre corrente espera receitas na ordem dos $1,16 mil milhões a $1,2 mil milhões, muito abaixo das projeções dos analistas de $1,36 mil milhões.

Já a Intel prossegue a tarde a perder mais de 10% Intel depois de a fabricante de ter anunciado que não conseguiu cumprir as projeções de vendas, no terceiro trimestre do ano, e ter alertado para a redução das margens de lucro. Os investidores têm estado, de resto, atentos aos efeitos da inflação, da falta de mão-de-obra e das falhas nas cadeias de abastecimento nesta época de resultados.

Também a gigante de software Phunware, que colaborou na campanha de Donald Trump e Mike Pence, em 2020, viu os seus títulos a saltaram mais de 1000%  para 18 mil dólares, depois dos rumores darem conta de que a empresa irá trabalhar com Trump para o lançamento da sua nova app, ‘Truth‘. Com este salto, a empresa de 58 pessoas atinge um valor de mercado de 1,4 mil milhões de dólares.

O sentimento negativo também afetou outros gigantes das redes sociais, nomeadamente, o Facebook (-4,93% para 325 dólares) e o Twitter (2,39% para 63,84 dólares), a Alphabet/Google (2,37% para 2,788 dólares).

 

Recomendadas

OPEP + concorda no aumento da produção de petróleo em janeiro

Por forte pressão principalmente dos Estados Unidos, a OPEP + aceitou fazer qualquer coisa para combater a subida dos preços do petróleo nos mercados mundiais. A decisão demorou, para desespero dos consumidores.

Wall Street com forte recuperação depois de vencer o medo da Omicron

Os sinais, ainda muito longe de estarem consolidados, de que a nova variante da Covid-19 oriunda de África do Sul não será tão grave como o esperado, foi suficiente para libertar os investidores. Um grande dia para os mercados.

PSI-20 cai 5,2% em Novembro. Grupo EDP e Jerónimo Martins lideraram representatividade

A Jerónimo Martins (15,10%), a EDP Renováveis (13,49%) e a EDP (10,42%) foram os emitentes com maior representatividade no índice. Os dados foram divulgados pela CMVM.
Comentários