Teerão condena pedido “arrogante” dos Estados Unidos à Europa

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão classificou como odioso e arrogante o pedido norte-americano que quer levar a Europa a abandonar o acordo nuclear com Teerão.

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão classificou este domingo como odioso e arrogante o discurso do vice-presidente norte-americano, Mike Pence, que no sábado instou a Europa a seguir Washington e abandonar o acordo nuclear com Teerão.

Citado por várias agências internacionais, Mohamad Javad Zarif disse, na Conferência de Segurança de Munique, na Alemanha, que Mike Pence “pediu com arrogância à Europa, no seu solo, que se junte aos Estados Unidos e comprometa assim a sua própria segurança”.

“As suas acusações odiosas contra o Irão, incluindo as suas alegações ignorantes de antissemitismo (…) são simultaneamente ridículas e perigosas”, disse.

O vice-presidente dos EUA pediu à Europa que abandone o acordo assinado com o Irão, apelo que repetiu por duas vezes esta semana, primeiro numa conferência em Varsóvia sobre segurança no Médio Oriente e depois em Munique.

Na sua intervenção neste último fórum sobre segurança, o chefe da diplomacia iraniana disse que a retirada dos Estados Unidos do acordo nuclear foi “ilegal e unilateral”, além de ter sido guiada por uma “fixação insana” e uma “obsessão patológica dos EUA com o Irão” que remonta à revolução islâmica de 1979. Zarif acusou ainda os EUA de terem como objetivo final para o Irão e o Médio Oriente uma mudança de governo em Teerão.

Por outro lado, manifestou apreço pelo “grande esforço” da Europa para manter vivo o acordo após a saída de Washington, que impôs sanções ao Irão, e por continuar a cumpri-lo apesar das dificuldades.

Ainda assim, alertou que a Europa “não está preparada para o investimento, para pagar o preço” que implica manter-se firme na defesa do acordo. “O Irão não pode assumir toda a fatura do acordo. A Europa tem de se molhar se quer nadar contra o unilateralismo dos EUA”, disse Zarif, avisando que “um abusador abusará mais se lhe derem atenção”.

Mike Pence pediu na quinta-feira em Varsóvia aos aliados europeus para se retirarem do acordo nuclear com o Irão, que disse estar a preparar um “novo holocausto” e ser “o maior perigo” no Médio Oriente.

No sábado, na intervenção na Conferência de Segurança de Munique, Mike Pence também afirmou que chegou o momento de a Europa se retirar do acordo nuclear iraniano e unir-se a Washington para pressionar Teerão.

No entanto, na mesma conferência em Munique, a Alemanha rejeitou o apelo: “Juntamente com os britânicos, os franceses e a União Europeia, nós encontrámos uma maneira de manter o Irão no acordo nuclear. E o nosso objetivo continua a ser que não haja mais armas nucleares, precisamente para não desestabilizar a região”, disse o chefe da diplomacia alemã, Heiko Maas.

Os Estados Unidos, por iniciativa do Presidente Donald Trump, abandonaram em 2018 o acordo sobre o programa nuclear do Irão, negociado pelo governo do anterior Presidente, Barack Obama, acusando Teerão de estar a tentar desenvolver armas nucleares.

Os europeus acreditam e insistem que o Irão está a respeitar este acordo que garante um levantamento das sanções económicas em troca do compromisso de Teerão de limitar-se a desenvolver uma indústria nuclear com fins estritamente civis e não para uso militar.

Ler mais
Recomendadas

Assista ao discurso de Ursula von der Leyen no Parlamento Europeu

A nome da candidata alemã vai ser hoje votado pelos eurodeputados para presidente da Comissão Europeia. Assista ao discurso inicial da política alemã, que teve lugar antes do debate e votação.

Parlamento Europeu escolhe entre Ursula von der Leyen e a crise política

Voto secreto e difícil conciliação das diversas famílias políticas aumentam suspense quanto ao veredicto do Parlamento Europeu. Chumbo da ainda ministra da Defesa da Alemanha daria um mês para os Estados-membros encontrarem uma nova solução.

Respostas Rápidas: A que se deve o impasse para formar governo em Espanha?

Três meses depois, as negociações para formar governo em Espanha ainda não chegaram a bom porto. Investidura na próxima semana parece cada vez mais longe de se concretizar.
Comentários