Tem uma empresa? Termina amanhã o prazo para declarar rendimentos e retenções na fonte dos trabalhadores

O prazo para as empresas entregarem a declaração onde indicam os rendimentos auferidos e a retenção na fonte do IRS dos seus trabalhadores termina este ano excecionalmente no dia 11 de fevereiro, segundo a Autoridade Tributária e Aduaneira.

O Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) procedeu à alteração das datas de várias obrigações declarativas e contributivas, nomeadamente a Modelo 10, ou seja, a declaração onde as empresas e outras entidades comunicam ao fisco os rendimentos auferidos por residentes no território nacional e as respetivas retenção na fonte.

Até agora, a Modelo 10 tinha de ser remetida à AT até ao final do mês de janeiro, indicando os valores relativos ao ano anterior, mas o OE2019 alterou o fim deste prazo para o dia 10 de fevereiro.

Este ano, e pelo facto de o dia 10 coincidir com um fim-de-semana, o prazo termina excecionalmente no dia útil seguinte, segundo a informação disponível no Portal das Finanças. “Em 2019, o prazo de entrega da declaração modelo 10 é o dia 11 de fevereiro, considerando que é o 1.º dia útil seguinte ao dia 10 de fevereiro”, é referido.

A Modelo 10 contém parte dos dados que a AT utiliza para proceder ao pré-preenchimento das declarações do IRS, cujo prazo de entrega também terá mudanças em 2019. Este ano, os contribuintes particulares podem entregar a sua declaração do IRS entre 1 de abril e 30 de junho, dispondo de mais um mês do que sucedia até agora.

Os prazos para a AT apurar o valor das deduções que resultam das faturas com NIF que lhe foram comunicadas avança de 15 para 25 de fevereiro e os contribuintes terão até ao final de março para reclamar do cálculo das deduções apresentado pela AT. Até agora este prazo terminava em 15 de março.

Recomendadas

União Europeia facilita compras digitais mas Portugal falha prazo

“A Comissão está a acompanhar de perto a situação e em breve decidiremos as próximas medidas para garantir que todos os Estados-membros cumprem as suas obrigações”, diz Nathalie Vandystadt, porta-voz de Bruxelas.

Governo de Angola espera recessão de 1,7% em 2018

Ministro da Economia e Planeamento angolano referiu que depois de contrações de 2,6% e 0,1% em 2016 e 2017, respetivamente, a economia angolana deve ter aprofundado a queda no ano passado.

EconPol diz que União Bancária não protege bancos europeus das repercussões de uma crise orçamental italiana

Os planos orçamentais do novo governo italiano têm o potencial de desencadear uma nova crise financeira, diz o analista da EconPol Europe, Timo Wollmershäuser.
Comentários