“Temerária e oportunista”. Oi diz desconhecer ação judicial da Pharol

No início do mês, a Pharol deu entrada com uma ação judicial visando o pagamento de um indemnização de 2,017 milhões de euros pela Oi.

A Oi fez saber esta sexta-feira que desconhece qualquer pedido de indemnização da Pharol, após a empresa gestora de ativos ter comunicado ao mercado a entrada de uma ação judicial contra a operadora brasileira.

“A Oi não tem conhecimento da ação judicial em questão, não tendo recebido citação pela justiça Portuguesa. A Oi não comenta discussões judiciais e considera leviana, temerária e oportunista a divulgação prematura que foi realizada”, afirma em comunicado.

No início do mês, a Pharol deu entrada no Juízo Central Cível – Juiz 18 do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa, com uma ação declarativa visando a condenação da Oi, no pagamento à Pharol de uma indemnização em dinheiro no valor total de 2.017.108.646,58 euros, incluindo juros de mora vencidos.

A 15 de maio, a empresa liderada por Luís Palha da Silva já tinha instaurado no Tribunal da Comarca de Lisboa, uma providência cautelar de arresto de todos os ativos da Oi e suas participadas fora do Brasil – que não teve sucesso -, que serviria para garantir que haverá património para pagar a indemnização pedida pela ex-PT SGSP, por perdas para a empresa no caso de a ação principal venha a dar razão à Pharol.

Recomendadas

Lucros da Sonae Sierra chegam aos 19,1 milhões no primeiro trimestre

No período em referência, a empresa criou a nova joint venture Sierra Balmain depois da aquisição de 50% da Balmain, uma empresa de prestação de serviços polaca.

Fundação Berardo gasta 1 milhão de euros em atividades de cariz social e tem um passivo de 998,5 milhões

De acordo com o relatório e contas da Fundação José Berardo de 2017, consultado pela Lusa, a IPSS do empresário madeirense conhecido por Joe Berardo, sediada no Funchal, gastou 1,041 milhões de euros nos “fins estatutários” da instituição, ou seja, caritativos, educativos, artísticos e científicos.

Spiros Martinis Spettel será o primeiro CEO da parceira entre EDP e Engie

Mandatos na nova ‘joint venture’ vão durar três anos. No primeiro, é a EDP Renováveis a nomear o CEO, enquanto a Engie escolhe o ‘chairman’ e o COO, enquanto no seguinte será ao contrário.
Comentários