Tempos de espera no aeroporto de Lisboa voltam a ultrapassar as duas horas

Há cerca de um ano que o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) anunciou um reforço de inspetores neste aeroporto, mas a solução continua a ser insuficiente para dar resposta ao volume de passageiros que passam pelo controlo de passaportes. O SEF indica que “os picos referidos são situações pontuais”.

Cristina Bernardo

O tempo de espera no aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, voltou a ultrapassar as duas horas nos últimos dois meses. Há cerca de um ano que o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) anunciou um reforço de inspetores neste aeroporto, mas a solução continua a ser insuficiente para dar resposta ao volume de passageiros que passam pelo controlo de passaportes, avança o jornal “Diário de Notícias”.

Em 17 dias do mês de março e 14 em fevereiro houve demoras de mais de 60 minutos no controlo de passageiros nas chegadas ao aeroporto de Lisboa. Em quatro desses dias, o tempo de espera ultrapassou as duas horas, levando vários passageiros “a perder os voos de ligação”, indicam fontes aeroportuárias.

O SEF indica que “os picos referidos são situações pontuais, como por exemplo na época da Páscoa, no mês março” e que este mês “o tempo médio de espera é de 12 minutos nas chegadas (inferior a 2017), e a monitorização de abril revela melhoria dos indicadores”.

Os operadores turísticos estão alarmados com a chegada do verão, altura em que o número de turistas aumenta substancialmente. “É inconcebível. Quem passa por aquelas filas dificilmente volta a Portugal. Os turistas não querem saber de quem é a culpa”, afirma o secretário-geral da Associação das Companhias Aéreas em Portugal (RENA), António Moura Portugal.

Recomendadas

Recorde no Airbnb. Mais de 4 milhões de pessoas reservaram alojamento numa só noite

10 de agosto foi um dia histórico para a empresa criada em 2008.

Valor gerido por fundos de investimento imobiliário cai 26 milhões de euros em julho

A Interfundos (13,1%), a Norfin (10,4%) e a Square AM (10,3%) detinham as quotas de mercado mais elevadas em julho.

Há outro sindicato em guerra com o Governo, agora por causa da Ryanair

“A partir deste momento, os trabalhadores portugueses ficam a saber que para o Governo português só se podem fazer greves de um ou dois dias”, acusa o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil.
Comentários