Teodora Cardoso: “Não podemos pensar em reduzir impostos”

Em entrevista à ‘Antena 1’ e ao ‘Jornal de Negócios’, Teodora Cardoso disse: “penso que no estado em que estão as coisas, não podemos pensar muito em reduzir impostos”.

A presidente do Conselho Superior de Finanças Públicas considera que não há margem para reduzir os impostos no âmbito da discussão e aprovação do Orçamento do Estado para 2019.

Em entrevista à ‘Antena 1’ e ao ‘Jornal de Negócios’, Teodora Cardoso disse: “penso que no estado em que estão as coisas, não podemos pensar muito em reduzir impostos”.

No entanto, esta responsável admitiu que “é muito difícil nós conseguirmos um Governo que resista à tentação de mexer em qualquer imposto, ou para subir ou para descer”.

Teodora Cardoso mostrou-se confiante que o Orçamento do Estado para 2019 vai ser aprovado.

No seu entender, a proposta final do documento irá “reduzir o défice, vai manter, basicamente, a linha dos últimos anos”.

Apesar de estar confiante na aprovação do Orçamento do Estado, Teodora Cardoso prevê, no entanto que o processo “vai ter imenso teatro na discussão, todos os partidos vão ter de mostrar que não estão de acordo com uma série de coisas, mas, no fim de contas, vão acordar aquilo que é essencial”.

Sobre o ministro das Finanças, a presidente do Conselho Superior de Finanças Públicas, que já foi muito crítica de Mário Centeno, parece ter mudado de opinião: “está a ser um bom ministro das Finanças no sentido de que está a fazer o que pode”.

O organismo liderado por Teodora Cardoso reviu esta semana em baixa as previsões de défice para este ano, para 0,5% do PIB – Produto Interno Bruto, mantendo previsões mais otimistas que o próprio Governo, que estima o défice para 2018 em 0,7% do PIB.

 

 

Ler mais
Recomendadas

Negócios com Islândia, Noruega e Liechtenstein têm fundos de mais dois milhões

A economia do mar, a mobilidade e a saúde mental são algumas das áreas que poderão ser financiadas pelo Fundo de Relações Bilaterais.

Consumidores nacionais preferem vinho tinto, em casa, com familiares e amigos

Segundo o estudo da consultora Levelsource, o local preferido de compra de vinhos varia entre os hipermercados e supermercados (47%), as lojas de vinhos (28%), compra direta aos produtores (15%), ‘sites’ e mercearias (comércio tradicional), por exemplo (10%).

Pesca em 2019 na União Europeia discutida terça-feira

A proposta avançada pela Comissão Europeia prevê a redução dos totais admissíveis de capturas em 22 unidades populacionais, incluindo a pescada em águas continentais e dos arquipélagos, a arinca e o lagostim.
Comentários