Teodora Cardoso: “Não podemos pensar em reduzir impostos”

Em entrevista à ‘Antena 1’ e ao ‘Jornal de Negócios’, Teodora Cardoso disse: “penso que no estado em que estão as coisas, não podemos pensar muito em reduzir impostos”.

A presidente do Conselho Superior de Finanças Públicas considera que não há margem para reduzir os impostos no âmbito da discussão e aprovação do Orçamento do Estado para 2019.

Em entrevista à ‘Antena 1’ e ao ‘Jornal de Negócios’, Teodora Cardoso disse: “penso que no estado em que estão as coisas, não podemos pensar muito em reduzir impostos”.

No entanto, esta responsável admitiu que “é muito difícil nós conseguirmos um Governo que resista à tentação de mexer em qualquer imposto, ou para subir ou para descer”.

Teodora Cardoso mostrou-se confiante que o Orçamento do Estado para 2019 vai ser aprovado.

No seu entender, a proposta final do documento irá “reduzir o défice, vai manter, basicamente, a linha dos últimos anos”.

Apesar de estar confiante na aprovação do Orçamento do Estado, Teodora Cardoso prevê, no entanto que o processo “vai ter imenso teatro na discussão, todos os partidos vão ter de mostrar que não estão de acordo com uma série de coisas, mas, no fim de contas, vão acordar aquilo que é essencial”.

Sobre o ministro das Finanças, a presidente do Conselho Superior de Finanças Públicas, que já foi muito crítica de Mário Centeno, parece ter mudado de opinião: “está a ser um bom ministro das Finanças no sentido de que está a fazer o que pode”.

O organismo liderado por Teodora Cardoso reviu esta semana em baixa as previsões de défice para este ano, para 0,5% do PIB – Produto Interno Bruto, mantendo previsões mais otimistas que o próprio Governo, que estima o défice para 2018 em 0,7% do PIB.

 

 

Ler mais
Recomendadas

Marta Temido: Parecer da PGR diz que greve dos enfermeiros é “ilícita”

Ministério da Saúde reagiu em conferência de imprensa ao parecer do Conselho Consultivo da Procuradoria Geral da República (PGR), pedido em janeiro, que diz que greve cirúrgica é ilegal.

EconPol diz que União Bancária não protege bancos europeus das repercussões de uma crise orçamental italiana

Os planos orçamentais do novo governo italiano têm o potencial de desencadear uma nova crise financeira, diz o analista da EconPol Europe, Timo Wollmershäuser.

Carlos Moedas defende critérios para o investimento estrangeiro na Europa

Carlos Moedas destaca que o investimento chinês na Europa cresceu 600% entre 1995 e 2015, “com claras implicações na distribuição de poder a nível internacional”.
Comentários