Teodora Cardoso: “Temos que pensar a organização do sistema para manter o acesso gratuito à saúde”

Presidente do Conselho de Finanças Públicas alertou para a necessidade de agregar informação sobre um setor, que considera “complexo”.

A presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP), Teodora Cardoso, defendeu esta quinta-feira a necessidade de refletir sobre a organização do setor da saúde e a sua sustentabilidade.

Na apresentação do relatório “Finanças Públicas: Situação e Condicionantes 2018-2022”, Teodora Cardoso alertou para o risco da falta de agregação de informação sobre o setor.

“Há muita informação dispersa sobre o setor da saúde, de forma que tirar conclusões para o futuro não é nada fácil”, disse a líder do CFP, defendendo a necessidade “de trabalhar muito mais isso”, uma vez que considerou, “o setor da saúde é extremamente complexo, quer socialmente, quer economicamente, quer tecnologicamente”.

Alertou que “durante muitos anos, Portugal viveu daquela regra assente na Constituição que diz que a saúde é tendencialmente gratuita”, mas que embora o acesso à saúde seja gratuito para o utente, tem custos.

“Há um factor importante que todos nós conhecemos que é o envelhecimento da população, é inevitável o aumento dos custos com saúde”, disse.

Neste sentido, defende que um aprofundamento sobre o tema “exige não só conhecimento, mas também responsabilidade social”.

“A tal ideia de que isto é gratuito e se pode gastar a vontade não é verdade. Pode ser verdade o acesso a saúde e devemos fazer tudo para que continue a ser, mas esse acesso é caro e deve ser pago. Temos que pensar muito bem a organização do sistema para manter o acesso gratuito à saúde”, concluiu.

Ler mais
Relacionadas

Respostas Rápidas: O PSD propõe a privatização total do SNS?

A “Reforma Estrutural do SNS” apresentada pelo PSD aponta para o fornecimento de cuidados de saúde pelos setores público, privado e social, abrindo o caminho para o estabelecimento de mais Parcerias Público-Privadas.

Urgências têm 20% dos médicos com idade para dispensa integral

No mês de junho continuavam em serviço 2.549 especialistas, apesar de terem mais de 55 anos. Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) contabilizou 1.637 médicos especialistas com dispensa do serviço de urgência por motivo de idade.
Recomendadas

Carlos Costa: “Se alguém tem provas que me ponham em causa tem toda a possibilidade de me exonerar”

Governador do Banco de Portugal diz que nada fez de errado quando era administrador do banco público.

Salário mínimo deve ser igual para todos, defende Rui Rio

“O salário mínimo nacional é algo que todos nós temos consciência que está abaixo daquilo que é justo e, portanto, tem que ser igual para todos, não podemos discriminar”, salientou o líder do PSD.
Comentários