PremiumTerrenos da Feira Popular arriscam ser um “pântano judicial”

Após o adiamento de duas hastas, a próxima segunda-feira pode colocar um fim ao processo de venda dos terrenos ou arrastá-lo para os tribunais.

A Feira Popular de Lisboa encerrou em 2003, num espaço que funcionou durante 40 anos na zona de Entrecampos, como o parque de diversões da capital e um pouco de todo o país. Fechou em 2003, com a promessa de que em breve seria encontrado novo local para uma nova Feira Popular, o que nunca chegou a concretizar-se até ao momento.

E, em Entrecampos, quinze anos, muitos projetos imobiliários e várias tentativas de venda depois, continua a existir um buraco a céu aberto que ameaça transformar-se num pântano. Com uma área de construção de 143 mil metros quadrados, a antiga Feira Popular de Lisboa situa-se entre três avenidas (Forças Armadas, 5 de Outubro e República) e está enredada num processo de burocracias que parece não ter fim à vista.

Os últimos desenvolvimentos prendem-se com as hastas públicas para a venda dos terrenos. O leilão para a compra do espaço foi adiado em duas ocasiões nas duas últimas semanas, a 9 e 23 de novembro, na sequência de o Ministério Público (MP) ter levantado dúvidas em relação à legalidade deste projeto. Sobre todos estes atrasos e adiamentos Sofia Vala Rocha, vereadora não eleita – em regime de substituição do Partido Social Democrata (PSD), em declarações ao Jornal Económico, traça dois pontos distintos.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Terrenos da antiga Feira Popular podem ser discutidos em reunião de Câmara

A reunião da Câmara Municipal terá lugar esta quarta-feira, mas o assunto não faz parte da ordem de trabalhos a ser debatida. No entanto, o tema poderá mesmo ser lançado para a mesa de trabalho.

Câmara de Lisboa adia hasta pública dos terrenos de Entrecampos para 23 de novembro

Fernando Medina (PS) disse que o adiamento por duas semanas visa que “todos os investidores possam avaliar com calma e tranquilidade” as respostas prestadas pelo município ao Ministério Público.

Feira popular: o projeto travado pelo Ministério Público

No passado dia 23 de novembro a hasta pública para a venda dos terrenos do antigo parque de diversões de Lisboa foi interrompida pela quarta vez, depois do Ministério Público (MP) ter aconselhado a Câmara Municipal de Lisboa a “reponderar” o projeto com “vista a acautelar possíveis ilegalidades”. Candidatos podem analisar as questões colocadas pelo MP até à próxima segunda-feira, 3 de Dezembro.
Recomendadas

Nova geração apresenta uma nova visão do imobiliário… sem filtros

Numa altura em que o setor do imobiliário passa por uma grande dinamização, é importante mostrar que o mercado é conduzido de forma profissional, transparente e sobretudo atento às novas tendências e visões.

Como a inteligência artificial pode estar ao serviço do setor do imobiliário

A plataforma de inteligência artificial, que agrega e atualiza diariamente a informação do mercado de milhares de fontes, tem como missão e visão tornar o imobiliário mais transparente, ao construir a base de dados mais completa e ‘limpa’ do mundo.

Queixas contra agências imobiliárias disparam 20%

No ano passado, só 24 reclamações contra imobiliárias tiveram resposta no Portal da Queixa. E apenas nove foram dadas como resolvidas.
Comentários