Tesouro acentua estratégia de alongar prazos com leilão de dívida a 10 e 27 anos

O IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública vai voltar ao mercado de dívida esta quarta-feira e poderá beneficiar de uma nova redução nos juros.

D.R.
Ler mais

Portugal regressa esta quarta-feira ao mercado de dívida pública, com um leilão duplo de Obrigações do Tesouro (OT) de longo e de muito longo prazos. As emissões incluem-se na estratégia do IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública de alongar os prazos de reembolsos e poderá beneficiar de uma nova redução nos juros.

“Desde setembro de 2017, o percurso da dívida portuguesa até agora foi de descida de taxas, assistindo-se a uma estabilização desde dezembro até agora”, explicou Filipe Silva, diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa.

O montante indicativo global da emissão, que vai acontecer por volta das 10h30, é entre 1.000 milhões e 1.250 milhões de euros. O leilão duplo é de OT com maturidade em 17 de outubro de 2028 e 15 de fevereiro de 2045.

Na maturidade mais longa, a 27 anos, a última emissão da mesma linha foi em julho de 2017, quando o Tesouro colocou 315 milhões de euros, com um bid-to-cover ratio de 2,15 e uma taxa de colocação de 3,977%.

“Na emissão prevista para esta semana, essa taxa não deverá andar muito longe dos 2,8%, tal como nos indica o mercado secundário”, disse Silva, acrescentando que “a dívida portuguesa teve sempre bastante procura, esse nunca foi um problema”.

A última vez que o IGCP leiloou dívida a 10 anos foi a 14 de fevereiro. Nessa altura, o Tesouro emitiu 760 milhões de euros, tendo pago uma taxa de colocação de 2,046%. A procura superou a oferta em 2,08%. No mercado secundário, as yields da dívida portuguesa a 10 anos negociavam esta terça-feira nos 1,80%.

O leilão ocorre dois dias antes de a Standard & Poor’s divulgar um relatório sobre a avaliação à notação soberana de Portugal. A agência foi a primeira das três principais a retirar Portugal do patamar de ‘lixo’, promovendo o rating a grau de investimento, de BB+ para BBB- e uma perspetiva estável.

Relacionadas

Portugal volta a estar na mira das agências de ‘rating’

A primeira avaliação à República de uma agência de notação financeira, em 2018, acontece esta semana, pela mão da Standard and Poor’s. Em setembro, subiu o ‘rating’ de Portugal, tornando-se a primeira das três principais a fazê-lo, após a crise.

Tesouro vai leiloar até 1.250 milhões de euros em Obrigações de longo prazo na quarta-feira

A emissão, que vai acontecer por volta das 10h30, é de Obrigações do Tesouro com maturidade em 17 de outubro de 2028 e 15 de fevereiro de 2045. Dois dias a seguir ao leilão, a Standard & Poor’s deverá divulgar a avaliação ao ‘rating’ português.

Dívida, produtividade e desigualdade: os desafios que Bruxelas vê para Portugal

A Comissão Europeia elogiou a retoma da economia, mas alertou para alguns desafios cruciais que o país terá que ultrapassar para diminuir os riscos de uma desaceleração caso o ambiente externo se altere.
Recomendadas

Wall Street fecha mista em dia de Farfetch

O Dow Jones fechou em alta em contra-mão com os Nasdaq e S&P. A estreia de bolsa da Farfetch é um dos destaques em Wall Street, tendo a procura levado a uma subida do preço da ação face ao preço da colocação no IPO (oferta pública inicial).

Farfetch vale 7,02 mil milhões de dólares em bolsa

No lançamento do IPO, as ações da empresa valiam 20 dólares (17,03 euros), mas no final da sessão fecharam com uma cotação de 28,5 dólares. Ao fecho da sessão, a Farfetch tinha uma capitalização bolsista de 7,02 mil milhões de dólares (6,13 mil milhões de euros).

Bolsa de Lisboa fecha em terreno negativo em contra-ciclo com a Europa

A família Sonae, a Mota-Engil e a Pharol estragaram a sessão da bolsa lisboeta ao registarem quedas acima de 3%. A maioria das praças europeias encerrou em alta, com os índices ibéricos a registarem performances inferiores aos pares. O Euro Stoxx 50 registou a décima sessão consecutiva de valorização.
Comentários