Tesouro emite 1.500 milhões em dívida de curto prazo com taxa mais negativa a 12 meses

O IGCP emitiu 1.100 milhões de euros a 12 meses, tendo pago a taxa mais baixa de sempre, beneficiando do momento favorável no mercado após o ‘upgrade’ da notação soberana pela S&P.

O Tesouro emitiu esta quarta-feira 1.500 milhões de euros, o montante máximo pretendido, num leilão de Bilhetes do Tesouro (BT) a seis e 12 meses, tendo pago uma taxa mais negativa na maturidade mais longa face a uma colocação em janeiro. A operação teve lugar cinco dias após a Standard & Poor’s (S&P) ter subido a notação da dívida portuguesa para o segundo grau de investimento (BBB).

A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública – IGCP tinha estabelecido um montante indicativo de 1.250 milhões a 1.500 milhões de euros.

Portugal pagou -0,393% para emitir 400 milhões de euros a seis meses, uma leve subida face aos -0,399% num leilão a 16 de janeiro. Na maturidade mais longa, a emissão foi de 1.100 milhões de euros, com o IGCP a pagar uma taxa mais negativa de  -0,366%, face aos -0,36% no leilão anterior.

“Foi mais um leilão com sucesso para o IGCP, que continua a beneficiar do ambiente de taxas de juro negativas que vivemos na Europa”, referiu Filipe Silva, diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa.

“Estas taxas historicamente baixas foram também suportadas pela subida de rating feita pela S&P na semana passada. Estes leilões de dívida de curto prazo continuam a contribuir para a redução do custo do serviço de dívida que o país tem”, sublinhou.

A procura nos BT a seis meses superou a oferta em 2,31 vezes a oferta, o que compara com 2 vezes no leilão de janeiro, enquanto na dívida a um ano o rácio bid-to-cover foi de 2,14, face aos 1,8 no leilão anterior.

No mercado secundário, a yield da dívida portuguesa têm beneficiado esta semana da decisão da S&P, com a taxa das obrigações benchmark, ou seja, a 10 anos, a negociar esta quarta-feira nos 1,318%, perto do recorde mínimo de 1,26% tocado no início da semana.

Standard & Poor’s sobe rating de Portugal para ‘BBB’

[Notícia atualizada às 12h45]

Ler mais
Relacionadas

Depois do ‘bónus’ da S&P, Portugal vai ao mercado para emitir dívida a curto prazo

Os dois leilões das linhas de Bilhetes do Tesouro têm maturidades em setembro de 2019 e em março de 2020, com um montante indicativo global entre 1.250 milhões e 1.500 milhões de euros.

S&P põe juros da república portuguesa a nove pontos da dívida espanhola

Os juros da dívida de Portugal a 10 anos estão em mínimos históricos, depois da subida do rating pela S&P.

Portugal poupou 1.270 milhões em juros com subidas de ‘rating’ em 18 meses, diz Centeno

Os números foram calculados pelo ministro. O Estado poupou 1.270 milhões de euros com as emissões de dívida desde setembro de 2017, altura em que Portugal voltou a ter uma notação de investimento.

Centeno sobre subida do rating: “consolidação orçamental tem sido uma prioridade da política económica”

O Governo destaca “o processo de reequilíbrio das contas externas e a sua recomposição, num sentido que lhe confere maior resiliência, e o aumento do peso das exportações no PIB em +16 p.p. desde 2005”. A agência considera que as condições de crédito em Portugal convergiram para a média da zona euro, em simultâneo com a diminuição “substancial” do endividamento das empresas e das famílias, diz o gabinete de Mário Centeno.

Standard & Poor’s sobe rating de Portugal para ‘BBB’

Agência norte-americana subiu a notação financeira da dívida soberana portuguesa de ‘BBB-‘ para ‘BBB’. Outlook foi atualizado de ‘positivo’ para estável’.
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários