PremiumTim Cook: o “parceiro” que Jobs deixou à frente da ‘maçã’ enfrenta um novo desafio

A gigante de Cupertino anunciou esta semana uma revisão em baixa dos números para o último trimestre, com as vendas do iPhone na China a penalizarem as receitas. Para ultrapassar o desafio, a Apple conta com um CEO pragmático que durante anos implementou a ambiciosa e criativa visão do fundador da empresa.

“Indispensable backstage partner”. Na biografia que Walter Isaacson escreveu de (e a pedido de) Steve Jobs, é assim que é descrito o papel de Tim Cook na gestão da Apple – o indispensável parceiro operacional.

Contratado em 1998, numa altura em que Jobs finalmente percebera que era preciso externalizar a produção e exigir mais agilidade aos fornecedores, Cook tornar-se-ia no Chief Operating Officer perfeito para implementar a visão criativa de Jobs. Durante as longas ausências deste devido a motivos de saúde, foi Cook que tomou as rédeas da empresa e, em agosto de 2011, três meses antes do falecimento do fundador da Apple, foi nomeado CEO.

Cook prolongou o crescimento da gigante norte-americana sediada em Cupertino, com o lançamento (e sucesso) de novas versões do iPhone e o alargamento das gamas de produtos e serviços a impulsionar as vendas e os lucros. O marco histórico foi atingido em agosto do ano passado, precisamente sete anos após a ascensão de Cook a CEO: a Apple tornava-se na primeira empresa no mundo com uma capitalização bolsista acima do bilião de dólares.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Mãe de quatro filhos, leitora compulsiva e “bem disposta”. Conheça a presidente do CFP

Nova presidente do Conselho Superior do Conselho das Finanças Públicas (CFP) falou ao Jornal Económico sobre os desafios à frente do organismo, como conciliou a carreira e a maternidade e os seus principais ‘hobbies’.

Negócios: As guerras do ouro no mundo empresarial

A Barrick Gold decidiu avançar com uma oferta de compra hostil sobre a rival Newmont. A oferta é de 15,6 mil milhões de euros. Depois deste negócio reacendeu-se o interesse pelo metal precioso e a especulação sobre qual poderia ser a próxima transação a tomar conta do setor. Apesar da queda no último trimestre de 2018, a procura deste metal preciosotem vindo a aumentar.

Queiroz Pereira: A nova vida do maior grupo industrial português

Pedro Queiroz Pereira, falecido em agosto do ano passado, ficou para a História como um empresário audacioso, pragmático e visionário. O império que deixou às três filhas fatura mais de dois mil milhões de euros por ano e serão vários os interessados em ‘joias da coroa’ como a Navigator, a Secil e o Hotel Ritz. Mas a família pretende manter os ativos e a estratégia passa por continuar a crescer e a valorizar o património familiar, incluindo por via de aquisições. O grupo deverá, parajá continuar nas mãos do clã, com o apoio de gestores da ‘escola’ McKinsey.
Comentários