PremiumTim Cook: o “parceiro” que Jobs deixou à frente da ‘maçã’ enfrenta um novo desafio

A gigante de Cupertino anunciou esta semana uma revisão em baixa dos números para o último trimestre, com as vendas do iPhone na China a penalizarem as receitas. Para ultrapassar o desafio, a Apple conta com um CEO pragmático que durante anos implementou a ambiciosa e criativa visão do fundador da empresa.

“Indispensable backstage partner”. Na biografia que Walter Isaacson escreveu de (e a pedido de) Steve Jobs, é assim que é descrito o papel de Tim Cook na gestão da Apple – o indispensável parceiro operacional.

Contratado em 1998, numa altura em que Jobs finalmente percebera que era preciso externalizar a produção e exigir mais agilidade aos fornecedores, Cook tornar-se-ia no Chief Operating Officer perfeito para implementar a visão criativa de Jobs. Durante as longas ausências deste devido a motivos de saúde, foi Cook que tomou as rédeas da empresa e, em agosto de 2011, três meses antes do falecimento do fundador da Apple, foi nomeado CEO.

Cook prolongou o crescimento da gigante norte-americana sediada em Cupertino, com o lançamento (e sucesso) de novas versões do iPhone e o alargamento das gamas de produtos e serviços a impulsionar as vendas e os lucros. O marco histórico foi atingido em agosto do ano passado, precisamente sete anos após a ascensão de Cook a CEO: a Apple tornava-se na primeira empresa no mundo com uma capitalização bolsista acima do bilião de dólares.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Francisco Guerreiro: A vida do primeiro eurodeputado do PAN em Bruxelas

Em 2014 candidatou-se às eleições europeias pela primeira vez. Cinco anos depois, torna-se o primeiro eurodeputado eleito pelo PAN. Conheça o percurso de quem quer ver a Europa muito mais atenta ao clima e aos direitos dos animais.

Ken Hughes: “A IA não é o futuro, mas sim o presente silencioso”

Ken Hughes, um dos maiores especialistas mundiais em novas tendências de consumo, veio esta semana ao congresso da Associação Portuguesa de Centros Comerciais. Em entrevista exclusiva ao Jornal Económico, levanta o véu sobre um futuro tão aterrorizador quanto fascinante, com a inteligência artificial a mandar nas compras de casa. O amanhã já cá anda, meio escondido.

Edmund Phelps: “Durmo melhor à noite por saber que é a Fed a decidir a taxa de juro”

Nobel da Economia de 2006 elogia o banco centralnorte-americano por não ceder a pressões do poder políticoe diz que nunca assistiu a tanta incerteza na Europa como atualmente.
Comentários