Tirar um curso superior pode custar sete mil euros por ano

No ano letivo de 2015/2016 estudar no ensino superior custava em média 6.445 euros anuais. Um aluno do ensino superior privado gastou quase dez mil euros e aos dias de hoje, só as propinas podem variar entre os dois mil e os seis mil euros anuais nestas instituições.

Estudar no ensino superior continua a exigir um esforço financeiro às famílias. No ano letivo de 2015/2016, cada aluno gastou em média 6.445 euros por ano, divididos entre propinas, material escolar e outros custos, como alojamento ou despesas de transporte, de acordo com os dados indicados pelo estudo “o custo dos estudantes no ensino superior português”, e revelados na edição de segunda-feira, 24 de setembro, pelo “Jornal de Notícias”.

A tendência tem sido para aumentar sobretudo nos custos dos alojamentos, em especial dos alunos que se deslocam para Lisboa e Porto. A norte do país arrendar uma habitação custa em média no ano de 2018, 407 euros, face aos 383 do ano passado, segundo a plataforma Uniplaces. Na capital, o valor subiu dos 459 euros, para os 485 euros.

Este estudo revela também que em 2015/2016 um aluno do ensino superior privado gastou quase dez mil euros, e aos dias de hoje, só as propinas podem variar entre os dois mil e os seis mil euros anuais nestas instituições. Já no politécnico privado a despesa é ligeiramente menor, 8.296 euros.

Em relação ao ensino público estudar no politécnico custava anualmente 6.173 euros e no ensino universitário 5.576. Olhando para a média dos 6.445 euros dividos por propinas, material escolar e livros (1.718 euros) e os custos de vida como alojamento, alimentação e transportes (4.727 euros), dá uma despesa mensal em média de 537 euros.

Recomendadas

Rankings 2018. Este ano há mais escolas a inflacionar as notas dos alunos. Três estão no top 10

As escolas que inflacionam as notas dos alunos do secundário aumentaram no ano passado para 18. No grupo figuram três colégios do ‘top 10’ geral.

Rankings 2018. Apenas duas escolas públicas no top 30. Veja aqui o ranking 2018

O ranking de 2018 das notas dos exames é dominado pelas escolas privadas e liderado pelo Colégio Nossa Senhora do Rosário, no Porto. As duas escolas públicas melhor classificadas são a Clara de Resende no Porto e a Infanta D. Maria de Coimbra.

Rankings 2018. Piores notas: História bate Matemática e Português

A História é o novo ‘papão’ do ensino português. Segundo dados da Direção-Geral de Estatísticas de Educação e Ciência, nos últimos cinco anos, a nota dos exames nacionais foi três vezes negativa. No ano passado, 51% dos alunos tiveram menos de 9,5 valores.
Comentários