Tirar um curso superior pode custar sete mil euros por ano

No ano letivo de 2015/2016 estudar no ensino superior custava em média 6.445 euros anuais. Um aluno do ensino superior privado gastou quase dez mil euros e aos dias de hoje, só as propinas podem variar entre os dois mil e os seis mil euros anuais nestas instituições.

Estudar no ensino superior continua a exigir um esforço financeiro às famílias. No ano letivo de 2015/2016, cada aluno gastou em média 6.445 euros por ano, divididos entre propinas, material escolar e outros custos, como alojamento ou despesas de transporte, de acordo com os dados indicados pelo estudo “o custo dos estudantes no ensino superior português”, e revelados na edição de segunda-feira, 24 de setembro, pelo “Jornal de Notícias”.

A tendência tem sido para aumentar sobretudo nos custos dos alojamentos, em especial dos alunos que se deslocam para Lisboa e Porto. A norte do país arrendar uma habitação custa em média no ano de 2018, 407 euros, face aos 383 do ano passado, segundo a plataforma Uniplaces. Na capital, o valor subiu dos 459 euros, para os 485 euros.

Este estudo revela também que em 2015/2016 um aluno do ensino superior privado gastou quase dez mil euros, e aos dias de hoje, só as propinas podem variar entre os dois mil e os seis mil euros anuais nestas instituições. Já no politécnico privado a despesa é ligeiramente menor, 8.296 euros.

Em relação ao ensino público estudar no politécnico custava anualmente 6.173 euros e no ensino universitário 5.576. Olhando para a média dos 6.445 euros dividos por propinas, material escolar e livros (1.718 euros) e os custos de vida como alojamento, alimentação e transportes (4.727 euros), dá uma despesa mensal em média de 537 euros.

Recomendadas

Bruxelas aponta avanços na segurança de bilhetes de identidade e autorizações de residência

Comissão Europeia salienta os progressos alcançados no âmbito do Plano de Ação com metade das 32 medidas que o constituem já adotadas.

Ainda não tem luz devido ao mau tempo? EDP pede a clientes que contactem linha de apoio

Presidente da EDP Distribuição acredita agora que, até ao final da semana, seja possível resolver todas as situações, para que se possa ter “um fim de semana tranquilo”.

Pode um ‘elétrico’ poluir mais do que um carro convencional? Novo estudo revela que sim

Para construir cada bateria de um carro elétrico, que pesa mais de 500 kg, será emitido mais 74% de CO2 do que para produzir um carro convencional. Novo estudo revela que carros eléctricos ainda descarregam dióxido de carbono ao nível dos carros convencionais.
Comentários