Tombo superior a 2,5% do BCP penaliza PSI 20

O principal índice bolsista português (PSI 20) perde 0,27%, para 5.121,21 pontos.

O principal índice bolsista português (PSI 20) perde 0,27%, para 5.121,21 pontos, quando as principais congéneres negoceiam sem tendência definida esta terça-feira, 30 de julho. Em Lisboa, os investidores reagem ás contas semestrais do Banco Comercial Português (BCP), apresentadas na segunda-feira após o fecho do mercado.

O BCP conseguiu aumentar 13% os lucros no primeiro semestre, para 169,8 milhões de euros, quando no mesmo período de 2018 o BCP apresentou um resultado positivo de 150,6 milhões de euros. As ações do BCP reagem nesta sessão, com o banco liderado por Miguel Maya a tombar 2,55%, para 0,24 euros.

Também os CTT é um dos destaques do início da sessão. A operadora postal, de acordo com o “Jornal de Negócios”, não cumpriu os valores mínimos de dois indicadores de qualidade do serviço postal universal – isto é, atrasos no encaminhamento no correio azul no continente e no correio transfronteiriço dentro da União Europeia. Desta forma, a empresa liderada por João Bento terá de reduzir os preços em vigor, sendo que a Autoridade Nacional das Comunicações concedeu ainda 45 dias para os CTT corrigirem informações sobre o livro de reclamações.

O setor energético também pesa no PSI 20, com a EDP a delizar 0,65%, para 3,36 euros, a EDP Renováveis a perder 0,64%, para 9,29 euros, e a REN a cair 0,60%, para 2,50 euros.

As perdas da Mota-Engil (-0,75%) e da F. Ramada (-2,05%).

Em contraciclo, os ganhos da Galp, da Altri e da Navigator destacam-se, embora incapazes de inverter a tednência.

Entre as congéneres europeias, os investidores estarão na expectativa por mais informações sobre a reunião da Reserva Federal dos Estados Unidos (Fed). A reunião de dois dias da Fed arranca em Washington, esta terça-feira. É esperado que na quarta-feira, 31 de julho, seja anunciado um corte dos juros diretores. Os investidores esperam uma descida da taxa dos fundos federais de pelo menos 25 pontos base, podendo o banco central decidir-se mesmo por uma redução de 50 pontos base.

Outro dado a influenciar os investidores nos principais mercados europeus é a retoma das conversações entre Estados Unidos e China sobre a guerra comercial. O representante norte-americano do Comércio, Robert Lighthizer, e a sua equipa vão reunir-se esta terça-feira com as suas contrapartes em Xangai. Será o primeiro encontro entre os representantes das duas maiores economias do mundo desde maio, altura em que as negociações foram suspensas devido a um intensificar de tensões entre ambas as partes.

Ler mais

Recomendadas

Wall Street aguenta, mas perdeu fôlego ao longo do dia

Os principais índices do outro lado do Atlântico estiveram a subir, mas no final do dia acabaram por ceder. Mesmo assim, dizem os analistas, os investidores continuam a confiar em novos estímulos à economia.

Sexta sessão em queda. Bolsa de Lisboa penalizada por perdas do BCP e Galp

Num quadro pintado de encarnado, a EDP Renováveis e a Sonae sobressaíram pela positiva, ao subirem ambas cerca 0,20%. Nas restantes praças europeias, igualmente pessimistas, destacam-se as transações de M&A da banca espanhola – desta feita, entre o Unicaja e o Liberbank.

Depois das fortes quedas de quarta-feira, Wall Street abre em baixa

As inscrições no desemprego nos Estados Unidos aumentaram na última semana, sugerindo uma recuperação mais lenta do mercado laboral devido às medidas restritivas para limitar a propagação de covid-19, indicam os números divulgados hoje.
Comentários