Topo de agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

Os ministros das Finanças da zona Euro iniciam a semana com uma discussão sobre Christine Lagarde. A semana prossegue com a Reserva Federal norte-americana e o Banco Central Europeu a divulgarem as minutas das últimas reuniões, com os mercados e investidores à procura de indícios sobre o rumo das políticas monetárias das duas regiões.

Ministros das Finanças da Zona Euro discutem Christine Lagarde

Os ministros das Finanças da zona euro deverão discutir a nomeação de Christine Largade para suceder a Mario Draghi na presidência do Banco Central Europeu, esta segunda-feira.

Com esta nomeação Christine Lagarde deixa vago o lugar de líder do Fundo Monetário Internacional (FMI) mas já há vários nomes avançados para suceder à francesa.

Tradicionalmente liderado por um europeu – com o Banco Mundial a cargo de um norte-americano -, tem-se falado do britânico Mark Carney, governador do Banco de Inglaterra, George Osborne, ex-ministro das Finanças do Reino Unido, e Mario Draghi, presidente cessante do BCE.

Minutas dos bancos centrais

Primeiro, as da Reserva Federal norte-americana, na quarta-feira. Depois, as do Banco Central Europeu (BCE), na quinta-feira. Esta semana, os bancos centrais dos EUA e da zona euro vão divulgar as minutas das últimas reuniões.

Nos EUA, os investidores vão procurar sinais sobre o que pensam os decisores da política monetária norte-americana antes da próxima reunião da Fed, marcada para julho, que poderá culminar com uma descida das taxas de juro.

Já as minutas da última reunião do BCE, realizada em junho, poderão revelar até onde é que foram discutidas as medidas de estímulo económico para fazer face à desaceleração do crescimento económico.

Jerome Powell dá testemunho em comités do Senado

O presidente da Reserva Federal norte-americana, Jerome Powell estará debaixo dos holofotes esta semana, numa altura em que muito se tem falado da possibilidade de a Fed baixar as taxas de juro na próxima reunião, que se realizará no final deste mês.

Esta semana Jerome Powell desloca-se dará o seu testemunho sobre as políticas monetárias, primeiro na House Financial Services Committee na quarta-feira e, um dia depois, no Senate Banking Committee, com o mercado e os economistas atentos sobre possíveis indícios quanto ao futuro do rumo da política monetária norte-americana.

As minutas da última reunião da FOMC – Federal Open Market Committee serão divulgadas na terça-feira, dia para o qual está previsto um discurso do presidente da Fed em Boston onde irá abordar a eficácia dos testes de stress dos maiores bancos.

Boris contra Jeremy na televisão

O futuro do Reino Unido – e do Brexit – vai discutir-se esta terça-feira num debate televisivo entre os dois candidatos para suceder à primeira-ministra britânica demissionária, Theresa May. Boris Johnson e Jeremy Hunt vão assim enfrentar-se no derradeiro debate.

OPEP apresenta relatório mensal

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) vai apresentar o relatório mensal sobre a evolução da procura e da oferta do “ouro negro” e anunciar as projeções para os próximos meses. A OPEP recentemente decidiu manter os cortes de produção de petróleo durante mais nove meses.

Irão eleva-se contra a comunidade internacional

O Irão estará na ordem do dia durante esta semana. Esta república islâmica anunciou este domingo que vai violar o acordo nuclear internacional que proibia o país de utilizar urânio enriquecido, o que poderá escalar as tensões entre esta república islâmica e os EUA.

A decisão de Teerão, anunciada por Abbas Araghchi, secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros iraniano, era esperada porque chegou ao fim o prazo de 60 dias que o irão tinha dado aos Estados vinculados ao acordo para aliviarem as sanções económicas.

O acordo foi assinado em 2015 durante a presidência de Barack Obama, ex-presidente dos EUA. Um ano depois, o atual presidente norte-americano, Donald Trump, retirou de forma unilateral os EUA deste acordo.

 

Ler mais
Relacionadas

Economista-chefe da Moody’s alerta: se a Fed não cortar as taxas de juro, os mercados vão cair

John Lonski, economista-chefe da Moody’s, diz que o presidente da Fed terá de apresentar “uma razão forte” que sustenha a decisão de o banco central não baixar as taxas de juro na reunião que se realizará no final de julho. Caso contrário, alertou, “os mercados vão cair”.

BlackRock: “Reeleição de António Costa daria sinal positivo aos mercados”

Novo governo PS representaria estabilidade da política orçamental para os mercados, diz analista da BlackRock, a maior gestora de ativos do mundo. Fraco investimento público “é um risco” económico.

Se ganhar as eleições, Rio promete reduzir IRC de 21 para 17% até 2021

A medida prevê que o Estado passe a cobrar menos 160 milhões de euros de IRC às empresas. O presidente do partido, Rui Rio, defende uma redução gradual da carga fiscal de 34,9% para 33,3% do Produto Interno Bruto (PIB).
Recomendadas

Depois das praças europeias, Brexit penaliza Wall Street

O Goldman Sachs aumentou a sua estimativa quanto à probabilidade de o Brexit vir mesmo a acontecer, atribuindo agora 65% de hipóteses para que o divórcio entre a União Europeia e o Reino Unido ocorra no dia 31 de outubro.

Brexit assusta bolsas europeias e PSI 20 perde 0,73%

Voto no Parlamento britânico sobre o acordo do Brexit negociado esta semana com a União Europeia causou algum desconforto para os investidores. No PSI 20, a Mota Engil e o BCP lideraram as perdas numa sessão em que 13 cotadas encerram em queda.

Wall Street abre a negociar flat

A penalizar Wall Street está nomeadamente o anúncio da Johnson & Johnson, após a empresa norte-americana anunciar que terá de retirar do mercado um lote de produto. Por outro lado, resultados da Coca-Cola, Intuitive Surgical e American Express2 animam as praças norte-americanas.
Comentários